Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 21: Capítulo 21

Página 128

Tal como sucedera no átrio da igreja com Miles, os dados estavam agora lançados. O facto de aquele nome nunca ter sido pronunciado entre nós acabou por jogar a meu favor, já que o rosto da garota apresentava uma tal expressão de espanto que pensei numa vidraça a quebrar-se em mil pedaços numa sala onde, até então, o silêncio imperara. Naquele mesmo instante, escutei um grito de Mrs. Grose — o grito de um animal assustado, talvez mesmo ferido, e, um segundo depois, foi a minha vez de abrir a boca e conter a respiração. Agarrei a minha companheira pelo braço.

— Está ali, está ali!

Miss Jessel encontrava-se à nossa frente, no ponto onde já antes a vira, e, por muito estranho que possa parecer, a primeira sensação que semelhante imagem me produziu foi a de urna enorme alegria, já que, por fim, conseguira apresentar uma prova. Ela estava ali, logo, as minhas atitudes estavam justificadas. Aquela mulher estava ali, logo, eu não era nem louca nem cruel. Ela estava ali, frente a uma assustada Mrs. Grose, mas, acima de tudo, estava ali para Flora, e nenhum outro momento desse tempo monstruoso foi tão extraordinário como aquele em que, de forma consciente, enviei uma mensagem de gratidão àquele demónio lúgubre e pálido, certa de que seria entendida. Ali estava Miss Jessel, muito direita, no ponto onde eu e a minha amiga havíamos estado há apenas alguns minutos, e o olhar que ela nos enviava não podia ser mais perverso. A nitidez da imagem e a emoção dos primeiros segundos, durante os quais Mrs. Grose pestanejava de olhos fixos no ponto para onde eu apontava, cedeu lugar à vontade de examinar o rosto de Flora. Aquilo que descobri na expressão da garota deixou-me surpreendida, muito mais que se a tivesse encontrado meramente agitada. Não estava à espera de uma reacção ansiosa, já que, preparada como devia estar para a nossa chegada, por certo reprimiria toda e qualquer emoção que a pudesse trair. Fui então abalada ao encontrar naquele rosto a única coisa de que não estava à espera.

<< Página Anterior

pág. 128 (Capítulo 21)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Calafrio
Páginas: 164
Página atual: 128

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 10
Capítulo 3 16
Capítulo 4 24
Capítulo 5 31
Capítulo 6 38
Capítulo 7 45
Capítulo 8 54
Capítulo 9 61
Capítulo 10 68
Capítulo 11 74
Capítulo 12 80
Capítulo 13 85
Capítulo 14 90
Capítulo 15 96
Capítulo 16 102
Capítulo 17 106
Capítulo 18 111
Capítulo 19 118
Capítulo 20 123
Capítulo 21 128
Capítulo 22 134
Capítulo 23 145
Capítulo 24 150
Capítulo 25 156
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site