Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: Capítulo 5

Página 31

Não que, naquele momento, estivesse à espera de mais alguma coisa, tão confusa e abalada me encontrava. Haveria em Bly algum «segredo» — uma espécie de mistério de Udolfo, ou um louco, um daqueles parentes impossíveis de mencionar e obrigados a permanecer em cativeiro? Sou incapaz de dizer quanto tempo andei por ali a vaguear, até mesmo durante quanto tempo, confusa e apavorado, permaneci onde fora confrontada com semelhante visão. Apenas sei que, quando voltei a casa, era noite cerrada. Sem dúvida que, durante o tempo que separou um acontecimento do outro, a agitação que de mim se apossara me fez andar como uma louca de um lado para o outro, pois por certo que as minhas voltas pelo jardim me fizeram percorrer quase cinco quilómetros. Porém, eu ainda viria a ficar tão mais estarrecida, que os acontecimentos do dia em questão poderiam traduzir-se por um simples e muito humano arrepio. No meio de tudo isto, o que maior surpresa me causou (como se o que sucedera antes não constituísse já motivo de surpresa) foi o momento em que, já na entrada, me vi frente a frente com Mrs. Grose. Trata-se de um quadro que ainda-hoje se mantém vivo na minha mente — é como se ainda estivesse a ver aquele espaço vasto e branco, iluminado pelo candeeiro e exibindo os seus quadros e os respectivos tapetes vermelhos, e o olhar satisfeito e surpreendido da minha amiga, que de imediato me informou de que sentira a minha falta. Ao vê-la, de pronto me apercebi que, ao mostrar-se tão aliviada com a minha presença, a mulher nada podia saber a respeito do incidente sobre o qual me preparava para interrogá-la. Nunca me passara pela cabeça que a visão daquele rosto amigo acabaria por acalmar-me, e o facto de ter hesitado quanto a mencionar ou não o que acabara de testemunhar fez que reavaliasse a sua importância. Em toda esta história, nada me parece mais estranho que o facto de o meu medo ter coincidido com o instinto de poupar a minha companheira. Por tudo isto, uma vez de volta àquele ambiente agradável e vigiada pelo olhar simpático de Mrs. Grose, algo que não consegui explicar operou em mim uma revolução interior, depois do que inventei uma qualquer desculpa por ter chegado tarde e, usando como pretexto a beleza da noite e os pés molhados pelo orvalho, subi para o quarto o mais depressa possível.

<< Página Anterior

pág. 31 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Calafrio
Páginas: 164
Página atual: 31

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 10
Capítulo 3 16
Capítulo 4 24
Capítulo 5 31
Capítulo 6 38
Capítulo 7 45
Capítulo 8 54
Capítulo 9 61
Capítulo 10 68
Capítulo 11 74
Capítulo 12 80
Capítulo 13 85
Capítulo 14 90
Capítulo 15 96
Capítulo 16 102
Capítulo 17 106
Capítulo 18 111
Capítulo 19 118
Capítulo 20 123
Capítulo 21 128
Capítulo 22 134
Capítulo 23 145
Capítulo 24 150
Capítulo 25 156
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site