Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 6: VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO

Página 66
Goulard, de novo, casara com uma rica negociante de Troyes, cujos bens ficavam na comuna de Cinq-Cygne, bens esses que ele largamente aumentara com as terras de uma rica abadia em cuja aquisição aplicara todas as suas economias. A vasta abadia do Val-des-Preux, situada a um quarto de légua do castelo, era uma residência quase tão sumptuosa como Gondreville; nela ele e a mulher faziam a figura de dois ratos numa catedral.

- Goulard, que glutão! - disse-lhe, rindo, a Menina, a primeira vez que o viu em Cinq-Cygne.

Conquanto muito ligado à Revolução, e friamente acolhido pela Condessa, o maire mostrava sempre o maior respeito para com os Cinq-Cygne e os Simeuse. Por isso fechava os olhos a quanto se passava no castelo. Para ele fechar os olhos, era não ver os retratos de Luís XVI, de Maria Antonieta, dos infantes de França, de Monsieur, do conde de Artois, de Cazalês e de Charlotte Corday, que ornamentavam os painéis do salão; não achar mal que, na sua presença, se desejasse a ruína da República, e se troçasse dos cinco directores e de todas as combinações de então.

A posição deste homem, que, à semelhança de muitos parvenus, uma vez rico, voltara a acreditar nas velhas famílias, e tudo fazia para se relacionar com elas, acabava de ser posta em risco pelas duas personagens cuja profissão tão prontamente fora adivinhada por Michu, e, que, antes de irem a Gondreville, haviam explorado a região.

<< Página Anterior

pág. 66 (Capítulo 6)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 66

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site