Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 7: VII - A VISITA DOMICILIARIA

Página 69
Malin, homem medíocre, incapaz de apreciar o tenebroso génio de Fouché, nem de desconfiar do seu golpe de vista queimou-se, como uma borboleta numa candeia, ao pedir-lhe confidencialmente, que lhe enviasse um agente a Gondreville, onde, segundo ele dizia, esperava obter luzes sobre a conspiração. Fouché, sem alarmar o seu amigo com qualquer pergunta, interrogou os seus botões quanto ao que iria fazer Malin a Gondreville, e porque não daria ele em Paris e imediatamente as informações que porventura teria a dar. O ex-oratoriano, farto de velhacarias e a par do duplo papel desempenhado por muitos convencionais, disse de si para consigo:

- Por quem é que Malin pode saber alguma coisa quando nós ainda não sabemos nada?

Fouché acabou por concluir, portanto, que havia cumplicidade latente ou em expectativa, e tratou de nada dizer ao Primeiro Cônsul. Preferia fazer de Malin um instrumento seu a perdê-lo. Fouché desta sorte reservava para si próprio grande parte dos segredos que surpreendia, e conseguia sobre as pessoas um poder superior ao de Bonaparte. Esta duplicidade foi uma das razões de queixa de Napoleão contra o seu ministro. Fouché estava a par da patifaria graças à qual Malin conseguira as suas terras de Gondreville, e que o obrigava a vigiar os senhores de Simeuse. Os Simeuse serviam no exército de Condé, a Menina de Cinq-Cygne era prima deles, podiam, portanto, encontrar-se naquelas imediações e participar na conspiração. A sua participação implicava na conjura a casa de Condé, à qual eles se haviam dedicado. O Senhor de Talleyrand e Fouché queriam esclarecer este lado por de mais obscuro da conspiração de 1803.

Estas considerações foram apreendidas por Fouché rapidamente e com lucidez. Mas existiam entre Malin, Talleyrand e ele laços que o forçavam a usar da maior circunspecção e o levavam a desejar conhecer perfeitamente o interior do castelo de Gondreville.

<< Página Anterior

pág. 69 (Capítulo 7)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 69

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site