Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 22: Capítulo 22

Página 144

A mulher parecia surpreendida por me achar tão calma.

— Roubou cartas!

Ela não conseguia entender os motivos de uma calma tão superficial, daí que me visse na obrigação de os expor o melhor possível.

— Se assim foi, espero que tenha tido melhores resultados que desta vez! É que — prossegui — a carta que ontem pus em cima da mesa não o vai esclarecer em muito. Limitei-me a pedir ao tio que me concedesse uma entrevista. Isso significa que, a estas horas, o nosso jovem Miles já deve estar envergonhado por se ter arriscado a tanto por tão pouco. Por isso esteve tanto tempo junto a mim, a noite passada. Devia querer confessar-se. — Era como se, finalmente, tivesse compreendido tudo. — Parta, por favor, parta! — Estava junto à porta e incentivava-a a sair. —Eu encarrego-me dele. Ele vai acabar por confessar tudo. Se confessar, salvar-se-á. E se se salvar. ..

— A menina também se salva? — Recebi um beijo daquela boa mulher, e despedimo-nos. — Eu salvo-a sem ele! — garantiu à medida que se afastava.

<< Página Anterior

pág. 144 (Capítulo 22)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Calafrio
Páginas: 164
Página atual: 144

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 10
Capítulo 3 16
Capítulo 4 24
Capítulo 5 31
Capítulo 6 38
Capítulo 7 45
Capítulo 8 54
Capítulo 9 61
Capítulo 10 68
Capítulo 11 74
Capítulo 12 80
Capítulo 13 85
Capítulo 14 90
Capítulo 15 96
Capítulo 16 102
Capítulo 17 106
Capítulo 18 111
Capítulo 19 118
Capítulo 20 123
Capítulo 21 128
Capítulo 22 134
Capítulo 23 145
Capítulo 24 150
Capítulo 25 156
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site