Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 7: Capítulo 7

Página 53

Recordo-me de passar em revista um sem-número de opções viáveis, pois ia dizendo de mim para mim que nada mais natural que um dos empregados por ali andasse, até mesmo que se tratasse de alguém vindo da aldeia: um mensageiro, o carteiro, o empregado de alguma loja transportando uma encomenda. Ainda assim, os efeitos práticos desta linha de pensamento em nada alteraram a minha disposição, pois tinha a certeza absoluta — mesmo sem necessitar de olhar — que a criatura em causa possuía o carácter e a atitude característicos do nosso visitante.

Da identidade da aparição ia assegurar-me apenas quando o pequeno relógio da coragem assinalasse o segundo exacto. Até lá, fazendo um esforço considerável, pousei os olhos na pequena Flora, que se encontrava a uns dez metros de distancia. O meu coração imobilizara-se por um instante quando confrontado com a possibilidade aterradora de que a garota pudesse ver com os seus próprios olhos aquilo que tanto me assustava. Cheguei mesmo ao ponto de conter a respiração, enquanto esperava que da sua boca se elevasse um grito, ou que qualquer outro sinal inocente de interesse ou de alarme me indicasse ter aquilo que eu tanto temia acabado por acontecer. Esperei, mas em vão. Depois, tomei consciência de que, em primeiro lugar — e sinto haver aqui algo de muito mais terrível que em tudo o que ainda tenho para contar —, durante um minuto, a garota deixara de produzir quaisquer sons, e em segundo, de que, ainda durante o mesmo espaço de tempo, ela dera meia volta e brincava agora de costas voltadas para a água Fora assim que a vira da última vez que para ela olhara, sempre certa de que alguém estava a observar-nos. Flora tinha apanhado um pequeno pedaço de madeira que, por possuir um orifício redondo, logo lhe dera a ideia de aí espetar um pauzinho e transformá-lo num barco com um mastro E então vi-a muito entretida a tentar enfiar o pauzinho no orifício. A sua conduta era de tal forma bizarra, que, ao fim de alguns segundos de espera senti estar pronta para um pouco mais de emoção. Desviei a cabeça e enfrentei aquilo que tinha de enfrentar.

<< Página Anterior

pág. 53 (Capítulo 7)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Calafrio
Páginas: 164
Página atual: 53

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 10
Capítulo 3 16
Capítulo 4 24
Capítulo 5 31
Capítulo 6 38
Capítulo 7 45
Capítulo 8 54
Capítulo 9 61
Capítulo 10 68
Capítulo 11 74
Capítulo 12 80
Capítulo 13 85
Capítulo 14 90
Capítulo 15 96
Capítulo 16 102
Capítulo 17 106
Capítulo 18 111
Capítulo 19 118
Capítulo 20 123
Capítulo 21 128
Capítulo 22 134
Capítulo 23 145
Capítulo 24 150
Capítulo 25 156
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site