Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: X - LAURENCE E CORENTIN

Página 115

- A que horas lhe parece terem esses cavaleiros entrado na floresta?

- Ao meio-dia e meia hora.

- Que não saia da floresta nem uma lebre sem que a gente dê por ela! -disse-lhe Corentin ao ouvido. - Eu deixo-lhes aqui Peyrade, e vou ver o pobre brigadeiro. Fica em casa do maire; eu te enviarei um homem atilado para te render - disse ele ao ouvido do provençal. - Precisamos de nos servir de alguém cá da terra; olha-lhes bem para a cara.

Voltou-se para os outros:

- Até à vista! - disse num tom de meter medo.

Ninguém respondeu à saudação dos agentes, que saíram.

- Que dirá Fouché de uma visita domiciliária sem qualquer resultado? - exclamou Peyrade, quando ajudava Corentin a subir para o cabriolet de verga.

- Oh! Isto ainda não acabou - tornou-lhe Corentin, que aproximara a boca do ouvido de Peyrade -; os gentis-homens devem estar na floresta.

Apontou para Laurence, que os observava através dos vidrinhos miúdos das grandes janelas do salão:

- Já uma vez arrebentei com uma que valia mais do que esta, e que me esquentou a bílis. Se volto a apanhá-la a jeito, paga-me a chicotada que me deu.

- A outra era uma rapariga da rua - disse Peyrade - e esta está numa posição...

- Porventura reparo eu nisso? É tudo peixe no mar! - disse Corentin, acenando para o gendarme que acabava de tocar o cavalo de posta.

Dez minutos depois o castelo de Cinq-Cygne estava inteira e completamente evacuado.

- Como é que se viram livres do brigadeiro? - perguntou Laurence a Francisco Michu, ao qual mandara sentar e a quem dava de comer.

- Meu pai e a minha mãe disseram que se tratava de um caso de vida ou de morte, que ninguém devia entrar na nossa casa. Por isso, quando eu percebi, pela andadura dos cavalos na floresta, que tinha pela frente os cães dos gendarmes, tratei de impedir que eles nos entrassem em casa.

<< Página Anterior

pág. 115 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 115

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site