Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: X - LAURENCE E CORENTIN

Página 116
Peguei numas cordas muito grossas que lá temos no sótão, finquei-as a uma das árvores, à saída de cada um dos caminhos. Depois tratei de as amarrar, mais ou menos pela altura do peito de um cavaleiro, e firmei-as nas árvores que ficavam em frente, no caminho onde me pareceu ouvir o galope de um cavalo. A estrada estava barrada. E deu resultado. Não havia já luar, o meu brigadeiro foi a terra, mas não morreu. Que se há-de fazer! Têm sete fôlegos esses diabos dos gendarmes! Ora, cada um faz o que pode!

- Salvaste-nos! - exclamou Laurence, beijando Francisco Michu, que acompanhou até ao portão.

Quando ali chegou, não vendo ninguém, segredou-lhe ao ouvido:

- Têm que comer?

- Acabo de lhes levar um pão de dez libras e quatro garrafas de vinho. Hão-de aguentar seis dias.

Ao voltar para o salão, a jovem viu-se objecto de mudas interrogações do Senhor e da Senhora de Hauteserre, do abade Goujet e da senhora sua irmã, que a olhavam ao mesmo tempo com ansiedade e admiração.

- Mas então sempre os viste? - interrogou a Senhora de Hauteserre.

A condessa levou um dedo aos lábios, sorrindo, e subiu para o seu quarto, pronta a deitar-se; uma vez a vitória consumada, a fadiga esmagava-a.

<< Página Anterior

pág. 116 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 116

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site