Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 27: XXVII - Vem rompendo a luz

Página 149
XXVII - Vem rompendo a luz

Francisco José da Costa foi chamado urgentemente para visitar um senhor conde hospedado em Monte Alegre.

- Conde de quê? - perguntou Ângela, curiosa de saber que titular subia as montanhas de Barroso em busca de seu marido.

- Conde de Gondar - disse o enviado.

- De Gondar? - observou Ângela ao marido. - Cuidei que só havia o Paço de Gondar de meu pai!

Ora, Francisco não lia gazetas, nem sabia que o general Noronha passasse a titular. Não ponderou por isso a observação da esposa, nem inquiriu a procedência do conde.

Chegou à casa nobre de Monte Alegre.

Levaram-no à presença dum ancião cego, de aspecto cadavérico e tocantemente amargurado.

Costa examinou-o em breve espaço, e perguntou:

- Senhor conde, há que tempo começou o seu padecimento de olhos?

- Há nove anos. Estava eu em Paris a tratar-me de nevralgias de cabeça.

- E quando cegou completamente?

- Há dois anos, tendo voltado a Paris para consultar de novo os especialistas.

- Disseram a vossa excelência que era catarata negra a cegueira?

- Juntamente; mas era intempestiva a operação. Depois, cá em Portugal, dois facultativos que consultei não votaram pela operação: um deles pendia a crer que a minha cegueira fosse paralisia.

- É catarata negra - disse Francisco Costa.

- Pode operar-se? - perguntou o conde, agitado.

- Pode, senhor conde.

- Vossa senhoria tem esperanças?

- As que pode ter-se em operatória.

- E espera dar-me vista?

- Espero, creio que vossa excelência verá.

- Feliz hora em que este amigo que está a meu lado me levou a Ponte do Lima a notícia de vossa senhoria! - exclamou o conde.

- O senhor conde de Gondar - disse o cavaleiro de Chaves ao operador - é o bem conhecido general Simão de Noronha.

<< Página Anterior

pág. 149 (Capítulo 27)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Os Brilhantes do Brasileiro
Páginas: 174
Página atual: 149

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - Aflições sudoríferas 1
II - 1.600$000 Réis! 5
III - Retratos do natural 12
IV - Tribunal de honra 15
V - Considerações plásticas 20
VI - Amigos do seu amigo 26
VII - Revelações cómicas 32
VIII - Revelações tristes 36
IX - Amores fatais 41
X - O Poeta 48
XI - Sonhos e esperanças 55
XII - A Fuga 59
XIII – Desamparo 63
XIV - Via dolorosa 68
XV - Meio milhão! 76
XVI - Por causa do Fígaro 85
XVII - História dos brilhantes 90
XVIII - A Infamada 100
XIX - Amor-próprio 106
XX - O Doente e o doutor 110
XXI - Morre Hermenegildo 119
XXII - Felicidade suprema 123
XXIII - Os homens honestos 132
XXIV - A Opinião pública 135
XXV - O Cego 141
XXVI - A Providência 145
XXVII - Vem rompendo a luz 149
XXVIII - Confidências do cego 154
XXIX - Luz! 162
XXX – Finalmente 168
Conclusão 172
Epílogo 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site