Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 39: Conclusão

Página 432
Conclusão

Vencidas as dificuldades, que as diferentes religiões de Carlos e de Cecília traziam consigo, o casamento fez-se. Não exponho agora aqui as condições do contrato, por me parecerem de pouco interesse para o leitor.

Manuel Quintino não desceu no conceito público. Pelo contrário, passou a ser um destes homens, que, em certas épocas, o Porto julga indispensáveis e cujos nomes passam a figurar em quantos cargos, sociedades e comissões se organizam nesta empreendedora cidade.

Tem sido sucessivamente director de um banco, mordomo da Santa Casa e camarista.

Mr. Richard continua com os seus hábitos de vida inglesa e com as leituras de Sterne.

Os seus compatriotas Brains e Morlays são ainda o que sempre foram: um, o inglês que chora; outro, o inglês que ri.

Preciso de acrescentar que Cecília e Carlos vivem felizes?

Nem eu sei se teria coragem de lhes escrever a história dos seus amores, se esse não fora o resultado.

E Jenny?

Jenny é sempre o anjo bom da família.

Nunca Mr. Richard teve de pedir-lhe contas da fiança que dera por Carlos. Este não lhe tem oferecido ensejo para isso.

FIM

<< Página Anterior

pág. 432 (Capítulo 39)

Sinopse >>

anúncio
Capa do livro Uma Família Inglesa
Páginas: 432
Página atual: 432

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - Espécie de prólogo, em que se faz uma apresentação ao leitor 1
II - Mais duas apresentações, e acaba o prólogo 11
III - Na Águia de Ouro 21
IV - Um anjo familiar 42
V - Uma manhã de Mr. Richard 53
VI - Ao despertar de Carlos 61
VII - Revista da noite 71
VIII - Na praça 81
IX - No escritório 94
X – Jenny 110
XI – Cecília 119
XII - Outro depoimento 128
XIII - Vida portuense 139
XIV - Iminências de crise 159
XV - Vida inglesa 168
XVI - No teatro 182
XVII - Contas de Carlos com a consciência 197
XVIII - Contas de Jenny com a consciência de Carlos 212
XIX - Agravam-se os sintomas 222
XX - Manuel Quintino procura distracções 236
XXI - O que vale uma resolução 247
XXII - Educação comercial 262
XXIII - Diplomacia do coração 277
XXIV - Em que a senhora Antónia procura encher-se de razão 283
XXV - Tempestade doméstica 290
XXVI - Ineficaz mediação de Jenny 298
XXVII - O motivo mais forte 305
XXVIII - Forma-se a tempestade em outro ponto 312
XXIX - Os amigos de Carlos 326
XXX - Peso que pode ter uma leviandade 344
XXXI - O que se passava em casa de Manuel Quintino 353
XXXII - Os convivas de Mr. Richard 362
XXXIII - Em honra de Jenny 371
XXXIV - Manuel Quintino alucinado 381
XXXVI - A defesa da irmã 397
XXXVII - Como se educa a opinião pública 406
XXXVIII - Justificação de Carlos 412
XXXIX - Coroa-se a obra 422
Conclusão 432
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site