Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 21: XXI

Página 324
XXI

O acto violento do Cancela, contra a pessoa do missionário, foi assunto das conversações gerais de toda a aldeia. Era com indignação que se comentava a façanha. Dizia-se que o Cancela fora apenas o instrumento de que se servira a gente do Mosteiro para se vingar do padre, pela ocorrência da tarde do sermão.

Os adversários do conselheiro aproveitaram o ensejo que se lhes oferecia para lhe alienarem simpatias e tentarem um cheque, pelo qual havia muito suspiravam.

O missionário e os seus ardentes sequazes foram dos mais acerbos propugnadores destas ideias, que reforçavam com muitas acusações de heréticos e de ímpios, contra todos os membros da família do conselheiro.

A política viu nisto uma arma favorável para combater o adversário, e não a desprezou. Depois veio a portaria a respeito do cemitério, manifestamente devida à iniciativa do pai de Madalena, e impopularíssima na aldeia, aumentar a irritação dos ânimos e servir de tema a uma violenta diatribe do missionário contra a impiedade da época, que nem aos fiéis concedia a santa consolação de repousar à sombra dos templos.

Tudo isto começou, pois, a fomentar uma reacção contra o conselheiro, a qual ameaçava o resultado da sua candidatura.

Não pequena parte nesta guerra surda, que principiara a lavrar, tomava o seu companheiro de infância e particular amigo, o brasileiro Seabra.

Nunca ele sentira entranhada no coração metade da benquerença que aparentemente ostentava para com o conselheiro; mas, depois de uma conferência que tivera com mestre Pertunhas, tornara- se mais manifesta a sua hostilidade e menos observadora de etiquetas e rebuços.

Foi ele, por exemplo, quem teve o cuidado de lembrar que a família do conselheiro estava de posse de bens religiosos, circunstância que o missionário atendeu, clamando do púlpito contra os dilapidadores dos bens da Igreja.

<< Página Anterior

pág. 324 (Capítulo 21)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Morgadinha dos Canaviais
Páginas: 508
Página atual: 324

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 15
III 32
IV 49
V 68
VI 81
VII 95
VIII 113
IX 127
X 144
XI 160
XII 176
XIII 192
XIV 206
XV 226
XVI 239
XVII 252
XVIII 271
XIX 292
XX 309
XXI 324
XXII 339
XXIII 361
XXIV 371
XXV 383
XXVI 397
XXVII 404
XXVIII 416
XXX 440
XXXI 463
XXXII 476
XXXIII 487
Conclusão 506
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site