Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 5: V

Página 68
V

Henrique de Souselas sentia-se cada vez mais penetrado da simpatia, que, logo à primeira vista, aquela mulher lhe despertara.

Havia na Morgadinha um misto de candura e de ironia, certa delicada reserva flutuando, como uma sombra diáfana, na conversa familiar, a que tão espontaneamente se dava; um visível conhecimento dos usos e etiquetas sociais, e ao mesmo tempo uma coragem para cortar por eles, como quem se sentia sobranceira a toda a ousadia, inacessível às suspeitas dos mais atrevidos; havia tantos enigmas naquela simpática índole feminina, que poucos seriam impassíveis diante dela.

A pensar nisto se ficou Henrique de Souselas, calado, imóvel, absorto, seguindo com os olhos os movimentos de Madalena, que, sem o menor constrangimento, prosseguia nas suas ocupações domésticas.

Ouviram-se finalmente passos e vozes de diferentes timbres na sala imediata.

- Elas aí vêm - disse a Morgadinha.

De feito, precedidas por Mariana e Eduardo, entraram na sala D. Vitória e Cristina.

A mãe vinha dizendo:

- É o que eu digo... Não que vocês não querem crer! Ora vejam se isto se atura... se isto não é para meter uma pessoa no Inferno!... Não tem que ver!... Não há ninguém que mais dinheiro gaste com criados e que seja tão mal servida como eu!... Eu só queria saber o que fazem os criados desta casa! Sim, só queria que me dissessem o que eles fazem, esse bando de mandriões! Ele é o Torcato, ele é o Luís, ele é o Damião, ele é a Ermelinda, ele é a Rosa, ele é a Violante e não houve um só que me viesse dizer que tinha chegado o primo! É forte coisa!... Comprometem uma pessoa! Então como está? - acrescentou ela, mudando de tom para cumprimentar Henrique, a quem estendeu a mão.

Madalena, ao ouvi-la, já tinha trocado com este um olhar malicioso.

<< Página Anterior

pág. 68 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Morgadinha dos Canaviais
Páginas: 508
Página atual: 68

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 15
III 32
IV 49
V 68
VI 81
VII 95
VIII 113
IX 127
X 144
XI 160
XII 176
XIII 192
XIV 206
XV 226
XVI 239
XVII 252
XVIII 271
XIX 292
XX 309
XXI 324
XXII 339
XXIII 361
XXIV 371
XXV 383
XXVI 397
XXVII 404
XXVIII 416
XXX 440
XXXI 463
XXXII 476
XXXIII 487
Conclusão 506
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site