Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 24: XXIV

Página 371
XXIV

O processo instaurado contra o Cancela seguiu os seus trâmites normais; porém, graças ao empenho do conselheiro, a quem a Morgadinha escrevera a favor do preso, e apesar da perseguição que lhe moviam os padres, contava-se que ele fosse solto, e era esperado na aldeia dentro em poucos dias.

Madalena não se descuidara de mandar todos os dias ao pobre homem notícias da filha, a qual, depois de ter por algum tempo inspirado sérios cuidados à medicina da terra, parecia haver entrado num período de convalescença.

Madalena assim o participou ao Cancela para o animar, mas, sem saber porquê, ela própria não sentia as esperanças que dava.

Há espíritos tão instintivamente sensíveis e perspicazes, que, à maneira dos médicos experientes, pressentem a gravidade ou a aproximação do mal, ainda quando os sintomas tenham perdido toda a feição assustadora.

Já os sorrisos flutuam nos lábios do doente e um desmaiado rubor de saúde principia a tingir as faces, até então pálidas, e eles sentem-se ainda estremecer de secretas apreensões.

Assim acontecia a Madalena ao contemplar as feições da pequena Ermelinda.

A frequência e intensidade dos acessos diminuíra; certo colorido de vida principiara já a animar-lhe o rosto infantil, havia pouco gelado pelo terror e pela doença; às vezes até um sorriso, ainda que melancólico, distendia-lhe os lábios desmaiados, e só de quando em quando raras nuvens de tristeza, evocadas por uma recordação penosa, parecia assombrarem-lhe o olhar límpido e meigo; os sonos eram tranquilos, as vigílias serenas, e, apesar de tudo, a Morgadinha entristecia ao reparar nela.

O facultativo da localidade, apalpando com os dedos robustos o delicado pulso da criança, assegurara que ela estava já livre de febre; e, apesar disso, Madalena quase sentia remorsos quando escrevia ao Herodes a dar-lhe a boa nova.

<< Página Anterior

pág. 371 (Capítulo 24)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Morgadinha dos Canaviais
Páginas: 508
Página atual: 371

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 15
III 32
IV 49
V 68
VI 81
VII 95
VIII 113
IX 127
X 144
XI 160
XII 176
XIII 192
XIV 206
XV 226
XVI 239
XVII 252
XVIII 271
XIX 292
XX 309
XXI 324
XXII 339
XXIII 361
XXIV 371
XXV 383
XXVI 397
XXVII 404
XXVIII 416
XXX 440
XXXI 463
XXXII 476
XXXIII 487
Conclusão 506
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site