Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 12: XII

Página 176
XII

O conselheiro levou a sua atraente amabilidade até se sentar nos bancos de pinho do estabelecimento de Damião Canada, envernizados já pelo uso de muitos anos.

Entre os circunstantes era qual mais o cumprimentava e oprimia com atenções e o flagelava com obséquios.

O conselheiro revestira-se, com muito estudo, de uma fisionomia satisfeita e sem sombras de reserva; tratando a todos por amigos, e conversando com aquela familiaridade, tão sabida de candidatos a procuradores do povo, nos círculos que pretendem representar.

Até chegou a levar aos lábios o copo de vinho, que um lavrador lhe ofereceu.

Não se lhe percebia porém no rosto, ao fazer isto, o menor vestígio de artifício, e, ao mesmo tempo, mantinha-se ainda nele tão aparente a superioridade intelectual, que os seus interlocutores nunca excediam os limites da deferência. O pai de Madalena era um perfeito homem de corte: presença agradável, modos insinuantes, palavras tão astuciosamente lisonjeiras, que desvaneciam os próprios que como tais as tinham.

Alvejavam-lhe já algumas cãs nos cabelos e suíças, que usava talhadas à moda inglesa; principiava a predominar-lhe nas formas certa rotundidade característica; mas no esmero e até elegância distinta de casquilhice pretensiosa, com que vestia, no porte airoso, nos movimentos ágeis, no olhar penetrante como o de poucos, e na viveza das conversas, havia ainda tantos sinais de vigor e de virilidade, que ninguém se sentia obrigado a estranhar-lhe certos hábitos de rapaz, que não perdera ainda.

Em Lisboa passava o conselheiro por ser um homem benquisto das damas, e, não obstante os seus cinquenta e cinco anos, acreditava- se que assim fosse, ou quase se adivinhava, ao primeiro olhar lançado sobre ele.

Possuía o dom especial de se encontrar à vontade em toda a parte, desde o mais perfumado gabinete da moda, até o menos asseado local de um comício popular.

<< Página Anterior

pág. 176 (Capítulo 12)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Morgadinha dos Canaviais
Páginas: 508
Página atual: 176

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 15
III 32
IV 49
V 68
VI 81
VII 95
VIII 113
IX 127
X 144
XI 160
XII 176
XIII 192
XIV 206
XV 226
XVI 239
XVII 252
XVIII 271
XIX 292
XX 309
XXI 324
XXII 339
XXIII 361
XXIV 371
XXV 383
XXVI 397
XXVII 404
XXVIII 416
XXX 440
XXXI 463
XXXII 476
XXXIII 487
Conclusão 506
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site