Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 19: XIX

Página 292
XIX

No dia seguinte ao dos Reis partiram para Lisboa, como estava determinado, o conselheiro e Ângelo, o que deu lugar no Mosteiro a muitas saudades. O conselheiro devia voltar somente por ocasião das eleições gerais, que estavam próximas.

Alguns dias depois, num domingo em que se festejava na aldeia o padroeiro Santo Amaro, de quem reza a Igreja a quinze de Janeiro, estava Henrique de Souselas na sala de jantar de Alvapenha, escutando sua tia e Maria de Jesus, que ambas o entretinham com longas conferências de coisas de pouco interesse e às quais ele ligava a mínima atenção.

Tinham acabado de jantar havia pouco tempo. A mesa conservava- se ainda posta; Henrique fumava um charuto, recostando-se para o espaldar da cadeira. D. Doroteia, de mãos cruzadas diante da cinta, falava; Maria de Jesus, que, depois de pôr em arranjo a cozinha, viera, segundo o costume patriarcal, tomar parte na sala na conversa do pospasto, auxiliava a memória da ama sempre que esta emperrava, corrigia-lhe as involuntárias e frequentes inexactidões em que a via cair.

Henrique habituara-se já a estes placidíssimos hábitos; e, apesar de não ligar atenção à conversa, ou por isso mesmo que lha não ligava, achava-lhe certas virtudes estomacais, que lha tornavam agradável.

Depois de muitas voltas, a conversa caiu sobre as ocorrências do auto dos Reis.

- Eu ainda estou para saber como aquilo foi! - dizia D. Doroteia.

- Quando me lembro! Como aquela rapariga falava!

- Ó senhora; olhe que já me disseram que a pequena tinha espírito - disse Maria de Jesus, com ar de mistério.

- Olhem o milagre! - respondeu D. Doroteia. - Por essa estou eu.

- Diz que desde aquele dia anda amarela e triste, que nem parece a mesma.

- Então é mais do que certo.

<< Página Anterior

pág. 292 (Capítulo 19)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Morgadinha dos Canaviais
Páginas: 508
Página atual: 292

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 15
III 32
IV 49
V 68
VI 81
VII 95
VIII 113
IX 127
X 144
XI 160
XII 176
XIII 192
XIV 206
XV 226
XVI 239
XVII 252
XVIII 271
XIX 292
XX 309
XXI 324
XXII 339
XXIII 361
XXIV 371
XXV 383
XXVI 397
XXVII 404
XXVIII 416
XXX 440
XXXI 463
XXXII 476
XXXIII 487
Conclusão 506
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site