Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 29: XXX

Página 440
XXX

Chegara o prazo e dia assinalado de se dar perante a urna a batalha eleitoral.

A azáfama política activara-se nestes últimos dias consideravelmente.

De parte a parte, tinham-se posto em campo todos os influentes e em exercício todas as armas. Promessas, aliciações, pressão de autoridades, exigências a dependentes, subornos, ameaças mais ou menos declaradas; de tudo se lançava mão.

Às vezes até o calor das discussões degenerava em pugnas menos pacíficas; os argumentos físicos, que figuram no catálogo das razões mais convincentes, haviam já sido invocados a pleitear ambas as causas, berrando-se depois, de um lado, contra a violência e o despotismo do governo, do outro, contra os manejos sediciosos e anárquicos da oposição.

Em algumas freguesias que entravam neste círculo eleitoral, eram os padres que, arvorando a cruz e o estandarte, pregavam a cruzada contra o conselheiro e instavam com o povo para que não elegesse para representante um ateu e um pedreiro-livre; em outras eram os agentes do Brasileiro e os da autoridade fazendo promessas aos caudilhos populares; resgatando penhores, levantando hipotecas, remindo dívidas, empregando afilhados, e conquistando assim para o seu partido.

O conselheiro e os seus parciais não desprezavam também nenhum destes mesmos meios, e grossas quantias circulavam a combater as do brasileiro Seabra.

Os periódicos do Porto e de Lisboa recebiam os ecos desta batalha.

Havia muito que em longas e difusas correspondências os gladiadores dos dois campos se mimoseavam com as mais descabeladas verrinas, assinando-se: O Amigo da verdade; o Epaminondas; o Vigilante; a Sentinela; o Alerta, etc., e pondo ao soalheiro as máculas da vida privada uns dos outros e todas as bisbilhotices da terra; correspondências que felizmente para o crédito da humanidade, por ninguém mais, além dos interessados e dos que já os conheciam, eram lidas.

<< Página Anterior

pág. 440 (Capítulo 29)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Morgadinha dos Canaviais
Páginas: 508
Página atual: 440

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 15
III 32
IV 49
V 68
VI 81
VII 95
VIII 113
IX 127
X 144
XI 160
XII 176
XIII 192
XIV 206
XV 226
XVI 239
XVII 252
XVIII 271
XIX 292
XX 309
XXI 324
XXII 339
XXIII 361
XXIV 371
XXV 383
XXVI 397
XXVII 404
XXVIII 416
XXX 440
XXXI 463
XXXII 476
XXXIII 487
Conclusão 506
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site