Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 27: XXVII

Página 404
XXVII

Foi opinião do facultativo que tratou de Henrique que a vida deste correra sérios riscos durante a primeira semana, por não sei que complicação que se lhe manifestou no decurso da moléstia. Se se enganou o prático, não nos compete a nós decidir; aceitemos-lhe a opinião, como de legítima fonte, e não profundemos matéria alheia ao nosso intento.

Ao fim dos oito dias, porém, começaram a manifestar-se melhoras evidentes, e o próprio facultativo foi o primeiro a assegurar às senhoras, que sempre o vinham consultar à saída com ansiosa curiosidade, que o «homem estava salvo».

De facto, nos primeiros períodos da doença, Henrique caíra, como já dissemos, num daqueles estados de indiferença para tudo e para todos, de que se não pode agoirar nunca bem. Agora, porém, começava já a manifestar atenção para os cuidados de que era objecto, e a agradecer, com palavras de sincera gratidão, o tratamento afectuoso que recebia naquela casa e especialmente os desvelos de Cristina.

Esta fora efectivamente sempre incansável, solícita e carinhosa enfermeira.

Os cuidados de que o rodeava, como a um irmão, absorviam-lhe todos os instantes; prever-lhe os desejos, adivinhar-lhe as penas, procurar-lhe alívio às dores físicas ou morais, era agora para ela a tarefa de cada momento, a preocupação permanente de todos os pensamentos.

Henrique costumara-se a ver mover-se no seu quarto aquela meiga e delicada figura de mulher, criança de ontem, a ouvir-lhe o timbre suave e ainda um pouco infantil da voz, a cruzar o olhar com aquele olhar brando que o fitava com simpatia e meiguice, e já se não sentia bem, longe dela, e a cada momento, se estava ausente, dirigia as vistas para a porta à espera de a ver aparecer.

Madalena espiava estes sintomas, notava a influência crescente de Cristina sobre o ânimo do rebelde, que até ali fora insensível, e exultava.

<< Página Anterior

pág. 404 (Capítulo 27)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Morgadinha dos Canaviais
Páginas: 508
Página atual: 404

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 15
III 32
IV 49
V 68
VI 81
VII 95
VIII 113
IX 127
X 144
XI 160
XII 176
XIII 192
XIV 206
XV 226
XVI 239
XVII 252
XVIII 271
XIX 292
XX 309
XXI 324
XXII 339
XXIII 361
XXIV 371
XXV 383
XXVI 397
XXVII 404
XXVIII 416
XXX 440
XXXI 463
XXXII 476
XXXIII 487
Conclusão 506
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site