Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 18: XVIII

Página 271
XVIII

Do dia de Natal ao dia de Reis passou o tempo para o conselheiro em visitas às freguesias e aos influentes daquele círculo eleitoral, visitas a que o acompanhava Henrique de Souselas, que tomava parte, com gosto, nestas excursões políticas.

Em casa do Sr. Joãozinho das Perdizes, na freguesia de Pinchões, passaram eles um dia. Nos solares do morgado tudo era desordem e desmazelo; a cada passo se tropeçava num podengo ou se trilhava a cauda a um perdigueiro. Henrique sustentou uma verdadeira luta com o proprietário, para esquivar-se a engolir todas as enormes doses de carne de porco e de vinho, com que ele, à viva força, o queria regalar.

No quarto em que os hóspedes pernoitaram estavam amontoados no meio do chão uns poucos de alqueires de milho e de castanhas, e aos pés dos leitos dormiam enroscados dois galgos, que eles não conseguiram desalojar, e que toda a noite os incomodaram com latidos ao menor rumor que escutavam fora.

Henrique lamentou a influência eleitoral do morgado das Perdizes, que o obrigava a esta noitada.

Outro dia jantaram em casa do Brasileiro, que lhes mostrou toda a sua propriedade, tendo Henrique de obrigar a sua eloquência a esgotar-se em afectadas exclamações, diante dos prodígios de mau gosto reunidos ali.

As estátuas de louça, os alegretes de azulejo, os arcos feitos de cana, por onde se entrelaçavam magras trepadeiras; um pequeno modelo de fragata brasileira com tripulação de altura dos cestos de gávea, flutuando num tanque circular; uma gruta, estucada de azul e com assentos de palhinha, para onde vinha ler as folhas o Sr. Seabra, eram as principais maravilhas do jardim. Nas salas mobília rica, mas vulgar; litografias coloridas em custosas molduras douradas, bordados, diplomas de sócio de não sei quantas sociedades brasileiras, tudo encaixilhado, e no lugar de honra a estampa das capelas do Bom Jesus de Braga.

<< Página Anterior

pág. 271 (Capítulo 18)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Morgadinha dos Canaviais
Páginas: 508
Página atual: 271

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 15
III 32
IV 49
V 68
VI 81
VII 95
VIII 113
IX 127
X 144
XI 160
XII 176
XIII 192
XIV 206
XV 226
XVI 239
XVII 252
XVIII 271
XIX 292
XX 309
XXI 324
XXII 339
XXIII 361
XXIV 371
XXV 383
XXVI 397
XXVII 404
XXVIII 416
XXX 440
XXXI 463
XXXII 476
XXXIII 487
Conclusão 506
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site