Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 20: XX

Página 309
XX

Passados dias voltava Herodes do Porto, quando nas proximidades da aldeia encontrou alguns homens a cavalo, que lhe eram desconhecidos.

O leitor que tenha sempre vivido numa cidade populosa, onde lhe é impossível conhecer todos os que com ele habitam na mesma terra, mal pode fazer ideia da sensação que produz no habitante de uma aldeia, vila ou cidade pequena, a presença de uma cara estranha.

Formam-se-lhe logo no espírito mil conjecturas, e a mais inquieta curiosidade instiga-o a decifrar a significação daquele aparecimento.

Isto aconteceu com o Cancela.

Desde que avistou os desconhecidos, que dissemos, não tirou mais os olhos deles. Eram três em número, traziam grandes botas, e largos chapéus, mantas ao ombro, usavam bigode e lunetas escuras.

- Pássaros de arribação... - pensava o Herodes consigo. - Que vento traria isto para aqui? E, chegando-se mais de perto, saudou-os cortesmente.

Um deles dirigiu-lhe a palavra:

- Ola, ó amigo; onde há por aqui uma casa habitável, em que nos alojemos?

- Por pouco ou por muito tempo, meu amo?

- Por o tempo que leva a construir uns quinze quilómetros de estrada.

- Ah! Então V. S.ªs são engenheiros?

- Julgo que sim.

- Então, visto isso, as estradas sempre vão principiar? Antes de arranjarmos casa em que fiquemos, decerto que não.

- Ai, sim, querem uma casa... Eu lhes digo, não tem nada que saber; os meus amos vão por aí sempre a direito, e, lá adiante, chegando ao pé de uma oliveira, tomam à sua mão esquerda por um caminho estreito, que tem uma cancela no fim; depois, logo que virem uma nora, carregam à direita, seguem sempre ao lado de um muro branco, até chegarem à eira; aí tomam por outro atalho, que está ao lado e vão dar a um larguinho... Depois não tem que saber, deitam pela rua em frente e, perguntando ali pela estalagem da Mouca, logo lhe dizem.

<< Página Anterior

pág. 309 (Capítulo 20)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Morgadinha dos Canaviais
Páginas: 508
Página atual: 309

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 15
III 32
IV 49
V 68
VI 81
VII 95
VIII 113
IX 127
X 144
XI 160
XII 176
XIII 192
XIV 206
XV 226
XVI 239
XVII 252
XVIII 271
XIX 292
XX 309
XXI 324
XXII 339
XXIII 361
XXIV 371
XXV 383
XXVI 397
XXVII 404
XXVIII 416
XXX 440
XXXI 463
XXXII 476
XXXIII 487
Conclusão 506
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site