Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 12: XII

Página 177
Nas Câmaras com graves diplomatas, nos cafés com rapazes estouvados, na sua aldeia com eleitores absurdos, com actores e actrizes nos bastidores, com padres nas sacristias, com militares nos quartéis, em toda a parte e com todos se achava este homem à vontade, acabando, quase sempre, por captar simpatias.

Podia dizer-se dele que, com igual perícia e rara consciência da oportunidade, jogava todas as armas: o galanteio cortesão, a frase conceituosa, o equívoco subtil, a anedota picante, o estribilho popular, a figura oratória, a máxima moral, e até a praga energicamente expressiva; mas, como os espadachins de profissão, jogava-as todas com frieza de ânimo, cada qual na ocasião oportuna e com perfeita observância do que o mundo chama conveniências sociais.

Muito tinham que fazer com ele os La Bruyères, que, a cada passo, aí encontramos no mundo; iludia os mais atilados. Às vezes parecia abrir-se tão do íntimo, tão completamente e sem condições nem reservas; havia tal unção de sinceridade nas palavras com que falava de si, dos seus projectos, dos seus sentimentos, que o mais desconfiado jesuíta sentir-se-ia tentado a acreditá-lo e nem sempre se enganaria; outras, falava verdade, mas com tais hesitações na voz, com tal mobilidade no olhar, que, ao considerá-lo, a mais ingénua criança experimentaria o despontar da primeira dúvida.

Já se vê que um homem destes era um contendor de muita força, para poder ser combatido por qualquer dos influentes locais; o próprio Brasileiro, apesar de toda a sua economia política, ainda nada pudera contra ele; nem ousara romper hostilidades com receio de ficar vencido.

Durante os poucos momentos que o conselheiro se demorou na loja do Damião Canada, soube desvanecer muitas das sombras que a conversa que precedera a sua chegada havia gerado em alguns espíritos.

<< Página Anterior

pág. 177 (Capítulo 12)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Morgadinha dos Canaviais
Páginas: 508
Página atual: 177

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 15
III 32
IV 49
V 68
VI 81
VII 95
VIII 113
IX 127
X 144
XI 160
XII 176
XIII 192
XIV 206
XV 226
XVI 239
XVII 252
XVIII 271
XIX 292
XX 309
XXI 324
XXII 339
XXIII 361
XXIV 371
XXV 383
XXVI 397
XXVII 404
XXVIII 416
XXX 440
XXXI 463
XXXII 476
XXXIII 487
Conclusão 506
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site