Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 32: XXXIII

Página 488
- Esse pensamento é linguareiro; ficamos todos sabendo aquilo em que tens estado a cismar.

Cristina corou intensamente, ao perceber o sentido das palavras do conselheiro, e tentou defender-se, dizendo:

- Ora, não era isso, tio. Eu perguntava, porque...

- Sossega; quando o véu estiver pronto, a laranjeira não nos faltará com ramos e flores.

- Não, mano - disse D. Vitória - olhe que se não trata de ver o que é que está dando nas laranjeiras, dentro em pouco não há uma só na quinta. Que também para serem comidas as laranjas pelos criados... Porque quase que são só para eles. Não que não faz ideia!...

E continuou com D. Doroteia a narração dos abusos de que os criados eram culpados.

Daí a momentos foi o conselheiro o primeiro a falar.

- Esta é galante! - disse ele, examinando uns papéis e rindo.

- Ora ouça isto, Henrique. Aqui está um homem que deseja que eu empregue nada menos do que sete sobrinhos que tem. Sete! É uma geração como a de Jacob; se estivéssemos na corte de Faraó!...

- Se se satisfizessem cada um com uma pasta?... Era um ministério completo - disse Henrique.

- Oh! oh! - dizia o conselheiro, passados alguns momentos. - Cá está o meu amigo Pertunhas, teimando com o lugar de recebedor.

- Pois o maroto inda se atreve?...

- E que despesa de estilo que faz! É uma ode congratulatória em prosa.

Nestas entremeadas conversas e diálogos curtos e interrompidos passou-se o tempo até à chegada do correio, sucesso que marca época numa manhã passada na aldeia.

Naquele dia, sobretudo, eram esperadas com ânsia as cartas e os periódicos, que deviam trazer notícias do resultado das eleições dos diferentes círculos do país.

O conselheiro já por três vezes consultara o relógio, estranhando que o correio se demorasse.

<< Página Anterior

pág. 488 (Capítulo 32)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Morgadinha dos Canaviais
Páginas: 508
Página atual: 488

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 15
III 32
IV 49
V 68
VI 81
VII 95
VIII 113
IX 127
X 144
XI 160
XII 176
XIII 192
XIV 206
XV 226
XVI 239
XVII 252
XVIII 271
XIX 292
XX 309
XXI 324
XXII 339
XXIII 361
XXIV 371
XXV 383
XXVI 397
XXVII 404
XXVIII 416
XXX 440
XXXI 463
XXXII 476
XXXIII 487
Conclusão 506
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site