Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 22: Capítulo 22

Página 110

Tom filiou-se na nova ordem de Cadetes da Temperança, cujas insígnias vistosas o atraíam. Prometeu abster-se de fumar, de mascar e de tudo o que fosse profano, enquanto fizesse parte da ordem, mas em breve descobriu que basta prometer deixar de fazer uma coisa para que fazê-la nos apeteça mais do que nunca. Atormentava-o um forte desejo de beber e praguejar; este tornou-se tão intenso que só a esperança de poder mostrar-se com a sua faixa vermelha evitou que saísse da ordem.

Estava à porta do dia 4 de Julho, mas não queria esperar tanto; ainda não havia quarenta e oito horas que entrara para a ordem, quando pôs as suas esperanças no velho Frazer, juiz de paz, que parecia estar no seu leito de morte e devia ter um grande funeral, visto ocupar um lugar tão importante. Durante três dias, Tom interessou-se muito pela saúde do juiz e mostrou-se ansioso por notícias. Por vezes, tudo parecia correr bem, tão bem que chegou a tirar da gaveta as suas insígnias para se ver ao espelho com elas, mas o juiz parecia hesitar; em certa altura disseram-no livre de perigo e, por fim, entrou em convalescença.

Tom sentia-se indignado e até, de certo modo, ofendido. Saiu logo da ordem, mas nessa noite o juiz teve uma recaída e morreu. Tom resolveu então nunca mais confiar em ninguém.

O funeral foi muito bonito. Os cadetes mostraram-se de uma forma que parecia propositada para fazer morrer de inveja o pobre Tom. Fosse como fosse, estava livre agora, e isso já era alguma coisa. Podia beber e praguejar, mas descobriu, com grande surpresa sua, que já lhe não apetecia uma coisa nem outra. Bastava-lhe a ideia de que o podia fazer para que imediatamente perdesse todo o encanto.

Dentro em breve apercebeu-se de que as tão desejadas férias se lhe iam tornando aborrecidas.

Tentou escrever o seu diário, mas, como não aconteceu nada de extraordinário durante três dias, abandonou a ideia.

Apareceu na aldeia o primeiro grupo de cantores negros. Fez sensação.

Tom e Joe Harper arranjaram um grupo de cantores e foram felizes durante dois dias.

O próprio dia 4 de Julho falhou, de certo modo, porque choveu imenso. E em consequência disso não houve cortejo e o maior homem do Mundo - segundo Tom supunha -, Mr. Benton, um verdadeiro senador dos Estados Unidos, foi para ele uma decepção, porque não tinha nada que se parecesse com sete metros de altura.

<< Página Anterior

pág. 110 (Capítulo 22)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 110

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site