Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 21: Capítulo 21

Página 104

As férias estavam à porta. O professor, sempre severo, tornou-se mais exigente e austero do que nunca, porque queria que os alunos fizessem provas brilhantes no dia do exame. A sua vara e a sua palmatória poucas vezes paravam agora, pelo menos entre os alunos mais pequenos. Só os rapazes mais velhos e as raparigas dos dezoito aos vinte escapavam às suas tareias. Estas eram muito vigorosas porque, embora sob o chinó ocultasse uma cabeça completamente calva, não era velho e não havia sinais de fraqueza nos seus músculos. À medida que se aproximava o grande dia, toda a tirania que fazia parte do seu feitio vinha mais à superfície. Parecia ter um prazer vingativo em castigar as faltas mais insignificantes. A consequência disso era que os rapazes mais pequenos passavam os seus dias aterrados e a sofrerem, e as suas noites a combinarem vinganças. Não desperdiçavam as ocasiões de fazerem partidas ao mestre mas ele triunfava sempre, pois o castigo que se seguia a cada uma dessas partidas era tão violento que os rapazes nunca deixavam de se retirar vencidos do campo de batalha. Ao fim de muito conspirarem, assentaram num plano que prometia uma vitória das mais brilhantes. Chamaram para o seu grupo o filho do pintor de tabuletas, disseram-lhe do que se tratava e pediram-lhe auxílio. Ora ele tinha as suas razões para ficar encantado, porque o mestre estava hospedado em casa da família do pai e já tinha dado ao rapaz razões de sobra para o detestar. A mulher do mestre devia ir de visita ao campo dentro de poucos dias e nada o estorvaria para realizar o seu projecto. O professor preparava-se sempre para as grandes ocasiões, bebendo até ficar um pouco ébrio, e o filho do pintor prometeu que, quando ele estivesse na conta e a dormir na sua cadeira, na própria tarde do exame, «trataria de tudo». Depois, acordava-o à hora certa para se pôr sem demora a caminho da escola.

Chegou, por fim, o grande dia. Às oito da noite a sala da escola estava brilhantemente iluminada e enfeitada com grinaldas de folhagem e flores.

O professor sentou-se na sua enorme cadeira sobre um estrado, tendo o quadro por trás dele. Estava com ar jovial. Três filas de bancos de cada lado dele e seis filas na sua frente eram ocupadas pelos dignitários da cidade e pelos pais dos alunos. À esquerda, por trás destes senhores, havia um grande estrado provisório, onde estavam sentados os estudantes que deviam tomar parte nos exercícios da noite.

<< Página Anterior

pág. 104 (Capítulo 21)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 104

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site