Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 34: Capítulo 34

Página 168

- Se tivéssemos uma corda, podíamos fugir pela janela, que não é muito alta! - disse Huck.

- Que disparate! Por que é que tu queres fugir?

- Não estou habituado a ver tanta gente, e não me sinto bem. Nem vou lá abaixo!

- Que maçador! Que importância tem isso? Eu não me importo nada. Deixa, que tomo conta de ti.

Entretanto, apareceu Sid, que disse:

- A tia esteve toda a tarde à tua espera e a Mary preparou o teu fato de domingo. Já toda a gente estava em cuidado por tua causa. Olha lá, o que tens no fato não é gesso e sebo de velas?

- Sabe que mais, Mr. Jones, meta-se na sua vida! Afinal por que é tanto barulho?

- Esta festa é uma das muitas que a viúva costuma dar. A de hoje é em honra do galês e dos filhos, por lhe terem salvo a vida naquela noite. Sempre lhes posso dizer uma coisa, se vocês querem saber.

- Que é?

- É que o velho Mr. Jones se reserva para dar uma notícia a esta gente toda, mas eu ouvi-o falar nisto em segredo à tia, e suponho que o caso já não é surpresa para ninguém. Já todos sabem, até mesmo a viúva, embora ela finja que não! Mr. Jones tinha grande empenho em que Huck aqui estivesse, pois dizia que não podia contar o segredo sem a sua presença.

- Segredo a respeito de quê, Sid?

- A respeito de o Huck seguir os ladrões até casa da viúva. Suponho que Mr. Jones estava à espera de fazer um grande sucesso com a sua surpresa, mas agora já não o conseguirá! - concluiu Sid com um risinho de satisfação.

- Foste tu que disseste, Sid?

- Não importa quem o disse. Alguém foi. O resto não interessa.

- Só há nesta aldeia uma pessoa suficientemente mesquinha para o dizer, e essa pessoa és tu, Sido Se tivesses estado no lugar do Huck, tinhas-te escapado pela colina abaixo sem falar nos ladrões a ninguém. Só sabes fazer coisas mesquinhas, e não podes ver elogiar ninguém por fazer coisas boas. Não me agradeças, como diz a viúva! - rematou Tom, socando as orelhas de Sid e pondo-o fora do quarto a pontapé.

- Agora vai dizer à tia, se és capaz, e amanhã paga-as todas juntas.

Instantes depois, os convidados da viúva estavam sentados à mesa da ceia, e umas doze crianças ocupavam mesas pequenas, como era costume da região e da época.

No momento preciso, Mr. Jones fez um pequeno discurso, no qual agradeceu à viúva a honra que lhe dava e aos filhos, embora houvesse outra pessoa cuja modéstia...

<< Página Anterior

pág. 168 (Capítulo 34)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 168

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site