Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 24: Capítulo 24

Página 118

Uma vez mais, Tom estava transformado num herói, acarinhado pelos mais velhos e invejado pelos da sua idade. O seu nome foi tornado imortal pela Imprensa, porque o jornal da aldeia elogiou-o e houve quem acreditasse que, se ele escapasse à forca, viria um dia a ser presidente.

O mundo, volúvel e inconsequente, começou a acarinhar Muff Potter tão generosamente quanto o tinha insultado até então, mas, como essa espécie de conduta só pode tender a honrar o mundo, não vale a pena criticá-lo por isso.

Os dias de Tom eram esplendorosos e alegres, mas as noites passava-as ele aterrado. Injun Joe aparecia-lhe em todos os seus sonhos e sempre com um olhar que o condenava. Mal anoitecia, não havia tentação, por mais forte, que o levasse a afastar-se de casa.

O pobre Huck estava no mesmo estado de tristeza e medo, pois Tom, na véspera do dia do julgamento, tinha contado a história ao advogado de Potter, e Huck estava apavorado com a ideia de que a sua participação viesse a saber-se, apesar de a fuga de Injun Joe o ter livrado de depor no julgamento. Na verdade, o infeliz tinha pedido ao advogado que guardasse segredo do caso, mas de que servia isso? Desde que a consciência aflita de Tom o tinha levado a procurar o advogado para lhe dizer coisas que jurara, da mais solene maneira, guardarem segredo, a confiança de Huck na raça humana estava muito abalada.

De dia, a gratidão de Muff Potter fazia a felicidade de Tom, que estava satisfeito por ter falado, mas de noite arrependia-se de não ter sabido calar-se.

Parte do tempo leva-a Tom a recear que Injun Joe nunca chegasse a ser preso e a outra metade na esperança de que o fosse. Estava certo de que não voltaria mais a respirar livremente enquanto aquele homem não morresse e ele visse o cadáver.

Ofereceram-se prêmios, procurou-se por toda a região, mas Injun Joe não apareceu. Veio de São Luís uma dessas maravilhas extraordinárias que se chama um detective; fez pesquisas, sacudiu a cabeça, tomou ares de sábio e conseguiu aquela coisa maravilhosa que alcançam por vezes os da sua profissão, e que é «encontrar uma pista». Mas como «uma pista» não pode ser enforcada pelo crime de assassínio, acabado o seu trabalho o detective voltou para a cidade e Tom sentia-se pouco seguro como dantes.

Os dias arrastavam-se devagar e cada um que passava aliviava, duma forma imponderável, o peso da sua apreensão.

<< Página Anterior

pág. 118 (Capítulo 24)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 118

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site