Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 1: Capítulo 1

Página 1

-Tom!

Ninguém respondeu.

-Tom!

Nada.

- Sempre gostava de saber onde se meteu aquele rapaz. Tom!

Silêncio absoluto.

A velhota puxou os óculos para baixo e, por cima deles, olhou o quarto em volta; tornou a puxá-los para cima e olhou através deles. Raras vezes ou nunca procurava de óculos uma coisa tão pequena como um rapaz, mas este par era o de luxo, o seu orgulho; eram só para vista e não para serviço, pois via tão bem por eles como através das portas do fogão. Durante um momento pareceu indecisa e, por fim, disse, não muito de rijo, mas em voz suficientemente alta para os móveis a ouvirem:

- Garanto que, se te apanho, te...

Não acabou, porque nesta ocasião estava curvada a dar vassouradas em baixo da cama e, se continuasse a falar, faltava-lhe o ar. Só conseguiu fazer sair de lá o gato.

- Nunca vi um rapaz como este!

Foi à porta, abriu-a e ficou a olhar para fora, procurando-o entre os tomateiros e as outras plantas que constituíam a horta. Nem sombra de Tom.

Então elevou a voz para poder ser ouvida a distância, e gritou:

- Ó Tom!

Ouviu um pequeno barulho atrás dela e voltou-se precisamente a tempo de agarrar o rapaz pela ponta do fato e prendê-lo.

- Anda cá! Eu bem podia ter-me lembrado daquele armário. O que estiveste ali a fazer?

-Nada.

- Nada? Olha para as tuas mãos. Olha para a tua boca. O que é isso?

- Não sei, tia.

- Pois eu sei. É compota, é o que é! Já te disse quarenta vezes que, se não deixasses de mexer na compota, te arrancava a pele. Da cá essa vara.

A vara fez um movimento no ar, e o pequeno, vendo o caso mal parado, disse:

- Olhe para trás de si, tia.

A senhora deu uma reviravolta e apanhou as saias, que estavam em perigo. No mesmo instante o rapaz fugiu, saltou por cima da vedação de madeira e desapareceu.

A tia Polly ficou um momento surpreendida e por fim deu uma gargalhada.

- Que diabo de rapaz! Eu nunca hei-de aprender? Com tantas partidas como esta que me tem feito, já devia calcular onde ele podia estar. Mas quanto mais velha mais tola, é o caso. Burro velho não aprende línguas, lá diz o rifão. Mas a verdade é que ele não faz duas vezes a mesma partida e não é possível adivinhar o que vai acontecer. Ele parece que sabe ao certo quanto tempo me pode atormentar antes que eu me zangue e já percebeu que, quando consegue distrair-me por um minuto ou fazer-me rir, não sou capaz de lhe tocar. Bem sabe Deus que não tenho cumprido o meu dever com este rapaz!

<< Sinopse

pág. 1 (Capítulo 1)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 1

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site