Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 25: Capítulo 25

Página 119

Há sempre, na vida dos rapazes, uma época em que estes desejam com ardor ir à busca de um tesouro escondido. Este desejo também um dia assaltou Tom, que logo procurou Joe Harper, mas foi mal sucedido. Em seguida, foi a vez de Ben Rogers, que tinha ido pescar. Encontrou-se então com Huck Finn, o Mãos Sangrentas. Huck queria, com certeza. Tom levou-o então a um certo lugar e fez-lhe confidências. Huck ficou encantado. Huck ficava sempre encantado com qualquer empreendimento que servisse de distracção e não exigisse capital, porque tinha invariavelmente uma terrível superabundância dessa espécie de tempo que «não é dinheiro».

- Onde vamos nós procurar? - perguntou Huck.

- Em qualquer sítio.

- O quê? Há assim riquezas escondidas por todos os lados?

- Claro que não. Estão escondidas em certos e determinados lugares.

Umas vezes em ilhas e outras em arcas apodrecidas, por baixo do extremo da raiz de uma velha árvore, mesmo no ponto onde dá a sombra dela à meia-noite, mas a maior parte das vezes debaixo do sobrado das casas assombradas.

- Quem as esconde lá?

- Ladrões! Quem querias tu que fosse? Os prefeitos da escola de doutrina?

- Sei lá! Se fossem minhas, não as escondia, gastava-as e passava boa vida.

- Também eu, mas os ladrões não pensam assim, por isso as escondem e as deixam lá.

- E não voltam mais à procura?

- Não. Pensam sempre que hão-de voltar, mas em geral esquecem-se dos sinais ou morrem. De uma maneira ou de outra, as coisas ficam ali enterradas até que enferrujam; passado tempo, alguém acha um papel velho e amarelado onde se explica quais são os sinais, um papel que leva quase uma semana a decifrar, porque todo ele são sinais e hieróglifos.

- Hiero quê?

- Hieróglifos. Desenhos e riscos que parecem não significar coisa nenhuma.

- Tens algum desses papéis, Tom?

- Não.

- Mas então como é que vamos procurar os sinais?

- Não precisamos de nenhuns sinais. Eles enterram sempre riquezas debaixo de uma casa assombrada, numa ilha ou debaixo da raiz desenterrada de uma árvore seca. Já procurámos na ilha, de Jackson e ainda podemos Já voltar outra vez. Agora temos a casa assombrada no caminho de Still House e muitas raízes de árvores secas.

- E há coisas enterradas debaixo de todas?

- Não. Sempre tens cada ideia!

<< Página Anterior

pág. 119 (Capítulo 25)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 119

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site