Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 6: Capítulo 6

Página 30

Na manhã de segunda-feira, Tom acordou mal disposto. Era sempre assim às segundas-feiras de manhã, porque nesses dias recomeçava outra semana de sofrimento na escola. Em geral, nessas ocasiões tinha pena que houvesse feriados, pois achava que estes lhe faziam parecer mais odioso o seu cativeiro.

Pôs-se a pensar e lembrou-se que era uma grande coisa se estivesse doente, pois poderia deixar de ir à escola. Era uma possibilidade vaga, mas em todo o caso começou a examinar todo o seu corpo. Não encontrando qualquer achaque, recomeçou a sua observação. Desta vez julgou aperceber-se de sintomas de cólica que, cheio de esperança, procurou agravar. Mas em breve enfraqueceram até desaparecerem de todo. Pensou outra vez e de súbito descobriu que um dos dentes da frente, do maxilar superior, estava a abanar. Que sorte! Ia pôr-se a gemer, «para principiar», como ele dizia, quando lhe veio à ideia que, se queixasse disso, a tia lhe tiraria o dente, o que lhe faria então doer. Resolveu portanto guardar o dente para 'Outra ocasião e voltou às suas pesquisas, mas não lhe vinha nada à ideia e só passados momentos se recordou de ter ouvido um médico falar num mal que apoquentava o doente durante duas ou três semanas, com o perigo de o fazer perder um dedo. Julgando ter achado, tirou para fora o pé doente e começou a olhá-lo, mas não sabia quais eram os sintomas. Fosse como fosse, pareceu-lhe que valeria a pena arriscar-se e pôs-se a gemer com certa força. No entanto, Sid continuou a dormir profundamente.

Tom gemeu mais alto e teve a impressão de que começava a doer-lhe o dedo.

Da parte de Sid, silêncio absoluto.

Já cansado de gemer, Tom parou um bocadinho, soergueu-se na cama e soltou uma série de gemidos admiráveis.

Sid continuava a ressonar.

Tom impacientou-se, chamou por Sid e sacudiu-o. Isto deu resultado e Tom tornou a gemer.

Sid bocejou, espreguiçou-se, encostou-se ao cotovelo, a fungar, e começou a olhar para Tom. Este não parou de gemer, até que o irmão lhe disse:

- Tom! Tom, não ouves? Nem palavra.

- Tom! Tom! O que tens? - perguntava, abanando-o e olhando-o ansiosamente.

Tom murmurou:

- Oh! Sid, não me abanes.

- Mas o que sentes, Tom? Eu vou chamar a tia.

- Não, deixa lá. Talvez isto passe daqui a bocadinho. Não chames ninguém.

- Tem de ser, Tom. Não gemas dessa maneira, que é horrível! Há quanto tempo estás assim?

<< Página Anterior

pág. 30 (Capítulo 6)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 30

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site