Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 27: Capítulo 27

Página 131

A aventura do dia deu a Tom sonhos horríveis naquela noite. Por quatro vezes teve na mão o tesouro, e por quatro vezes o viu escapar-se por entre os dedos; então acordava e, com o acordar, vinha-lhe à ideia toda a triste realidade. De manhã cedo, ainda deitado, enquanto revia todas as minúcias da sua grande aventura, parecia-lhe tudo tão apagado e distante como se tivesse passado num outro mundo ou muitos anos antes. Então ocorreu-lhe que tudo aquilo podia ser apenas um sonho. A favor disto havia um forte argumento: era que aquela enorme quantidade de dinheiro era grande de mais para ser real. Até aí nunca vira mais de cinquenta dólares de uma vez e, como todos os rapazes da sua idade e nas suas circunstâncias, calculava que as referências a centos e milhares eram apenas maneiras de falar, mas que não existiam dessas quantias no Mundo. Não supunha nem por um momento que alguém pudesse possuir qualquer coisa como cem dólares e, se fossem realizadas as suas ideias acerca de tesouros escondidos, chegar-se-ia à conclusão de que na sua fantasia, estes consistiam numa simples mão-cheia de moedas de cobre e numa fanga de vagos, esplêndidos e inatingíveis dólares.

À força de pensar, os pormenores da sua aventura foram-lhe aparecendo mais distintos e claros, dando-lhe finalmente a impressão de que podia não ter sido um sonho. Fosse como fosse, tinha de esclarecer o assunto. Almoçaria a correr e iria ter com Huck.

Huck estava sentado na amurada de um barco, balouçando os pés dentro de água e com ar melancólico. Tom resolveu aguardar que Huck encaminhasse a conversa para esse assunto. Se não falasse em tal, estava provado que a aventura não passara dum sonho.

-Olá! Huck!

-Olá! Tom!

Silêncio por um minuto.

- Tom, se tivéssemos deixado as malditas ferramentas ao pé da árvore seca, a esta hora o dinheiro seria nosso. Não achas que é horrível?

- Então não foi um sonho? Antes queria que fosse. Eu seja cão se isto não é verdade!

- Não foi um sonho o quê?

- Aquilo de ontem. Quase cheguei a pensar que sim!

- Sonho! Se as escadas não tivessem desabado, havias de ver se era sonho. Sonhos tive eu toda a noite, com o diabo do espanhol dos olhos vendados à minha procura.

- É preciso encontrá-lo! Encontrá-lo e saber onde está o dinheiro.

- Nunca o saberemos, Tom. Uma coisa daquelas só acontece uma vez na vida. Não pudemos aproveitar a ocasião...

<< Página Anterior

pág. 131 (Capítulo 27)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 131

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site