Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: Capítulo 10

Página 52

Mudos de horror, os dois rapazes correram, correram em direcção à aldeia. Volta e meia viravam a cabeça e olhavam para trás, apreensivos, como se receassem ser seguidos. Cada tronco de árvore que se erguia no seu caminho parecia-lhes um homem e um inimigo, fazendo-os conter a respiração. Ao passarem por uma das casas, um pouco afastadas da aldeia, o ladrar dos cães de guarda pôs-lhes asas nos pés.

- Se conseguíssemos chegar à fábrica de curtumes antes de perdermos as forças! - segredou Tom já quase sem fôlego. - Não posso suportar isto por muito tempo!

A respiração ofegante de Huckleberry foi a sua única resposta. Os dois rapazes fitaram os olhos na meta que pretendiam e curvaram-se, na esperança de correrem melhor. Chegaram, por fim, e entraram pela porta aberta, caindo, estafados e agradecidos, para dentro daquele abrigo. Pouco a pouco, os dois corações acalmaram e Tom perguntou baixinho:

- O que calculas que resultará daqui, Huckleberry?

- Se o doutor Robinson morrer, há um que vai para a forca.

- Parece-te?

- Não me parece, tenho a certeza.

Tom pensou um momento e perguntou de novo: - Quem é que há-de dizer? Nós?

- Que disparate! E se acontecesse qualquer coisa e Injun Joe não fosse enforcado? Matava-nos, tão certo como estarmos aqui.

- Era nisso mesmo que eu estava agora a pensar, Huck.

- Se alguém tem de dizer, Muff Potter que o diga, se ele for tão parvo como isso! Anda sempre bêbedo.

Tom não disse nada e ficou a pensar, até que tornou:

- Muff Potter não sabe o que se passou. Como há-de ele dizer?

- Por que motivo é que não sabe?

- Porque, exactamente quando Injun Joe fez aquilo, ele tinha apanhado uma enorme pancada. Achas que podia ter visto alguma coisa? Achas que sabe?

- Tens razão, Tom! Tens toda a razão!

- Além disso, olha que aquela pancada pode muito bem ter dado cabo dele.

- Não, isso não me parece. Tinha álcool no estômago; via-se bem que tinha, e, de resto, álcool é uma coisa que ele lá tem sempre. Ora, quando o meu pai está bêbedo, podem arrumar-lhe à cabeça seja com o que for, que não o matam. Pelo menos é ele próprio quem o diz. Com Muff Potter há-de acontecer o mesmo, está claro. Se não estivesse bêbedo, talvez aquela pancada pudesse matá-lo; não sei.

Depois de reflectir mais um instante, Tom perguntou: - Tens a certeza, Huck, que és capaz de te calar?

<< Página Anterior

pág. 52 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 52

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site