Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 19: Capítulo 19

Página 98

Tom chegou a casa muito mal disposto, e a primeira coisa que a tia disse mostrou-lhe claramente que os seus desgostos ainda não tinham acabado.

- Tom, a minha vontade era esfolar-te vivo.

- Que fiz eu, tia?

- O que fizeste já foi bastante. Vou daqui a casa de Sereny Harper como uma velha tonta, no intuito de a fazer acreditar em toda aquela história do teu sonho e, mal lá chego, conta-me ela que tinha sabido por Joe que estiveste aqui e ouviste a conversa daquela noite. Tom, não sei o que pode acontecer a um rapaz que procede assim. Entristece-me tanto pensar que me deixaste ir ter com Sereny Harper e fazer uma figura tão ridícula, sem me dizeres uma palavra!

Este era um novo aspecto da questão. A sua esperteza da manhã parecera a Tom uma boa graça, muito engenhosa, mas agora achava-a mesquinha. Curvou a cabeça e não se lembrou de nada para responder. Só passados momentos disse:

- Tia, estou muito arrependido do que fiz, mas eu não pensei.

- Nunca pensas, filho. Nunca pensas nada senão no teu egoísmo.

Pudeste pensar em fazer de noite todo o caminho da ilha de Jackson até aqui, para te rires das nossas preocupações, e em me meteres a ridículo com uma mentira acerca do teu sonho. Só não pensaste em ter pena de nós e em nos evitar um desgosto.

- Agora vejo que andei mal, tia, mas não era essa a minha intenção.

A sério que não era. Além disso, não vim cá naquela noite para me rir de si.

- Então para que vieste?

- Vim para lhe dizer que não estivesse preocupada connosco, porque não nos tínhamos afogado.

- Tom! Tom! Bem queria acreditar que tivesses tido alguma vez um pensamento tão bom como esse, mas sabes perfeitamente que o não tiveste e eu também sei.

- Tive, sim, tia, tive. Que eu nunca mais me mexa daqui se isto não é verdade.

- Não mintas, Tom, não mintas! As mentiras agravam o caso ainda mais.

- Não é mentira, tia, é verdade. Eu queria evitar que a tia se ralasse, foi por isso que vim.

- Daria tudo no mundo para acreditar nisso, que me faria perdoar-

-te uma quantidade de maldades, Tom. Quase me alegraria de que tivesses fugido e procedido tão mal, mas não posso acreditar. Se vieste para mo dizer, porque não mo disseste?

- Porque quando comecei a ouvi-las falar dos ofícios fúnebres me ocorreu a ideia de virmos e de nos escondermos na igreja; ora, se eu falas- se, estragava-se o efeito. Por isso me calei e tornei a guardar a casca na algibeira.

<< Página Anterior

pág. 98 (Capítulo 19)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 98

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site