Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 35: Capítulo 35

Página 170

Pode o leitor ficar certo de que esta sorte grande de Tom e Huck fez uma tremenda revolução na pequena aldeia de S. Petersburgo. Uma quantia daquelas em metal sonante parecia a todos uma coisa quase incrível. Falou-se muito nisso, com palavras elogiosas, até que a razão de alguns aldeões começou a vacilar sob aquela excitação. Todas as casas «assombradas» de S. Petersburgo e das aldeias em volta foram rebuscadas, tábua por tábua, e os alicerces cavados e remexidos, à procura de tesouros escondidos; e tudo isto foi feito não por rapazes, mas até por certos homens sérios e sensatos. Onde quer que Tom e Huck aparecessem, rodeavam-nos e olhavam-nos com admiração. Não se lembravam os dois rapazes, que alguma vez tivessem ligado importância às suas observações, mas tudo o que diziam agora era repetido e comentado. Tudo o que faziam parecia ser digno de atenção; é claro que tinham perdido a faculdade de fazer ou dizer coisas vulgares e, o que é mais, a história do seu passado era analisada, conseguindo descobrir-se-lhe sinais de originalidade. O jornal da aldeia publicou esboços biográficos dos dois rapazes.

A viúva Douglas emprestou o dinheiro de Huck a seis por cento e, a pedido da tia Polly, o juiz Thatcher fez o mesmo ao de Tom. Assim, cada rapaz ficou com um rendimento simplesmente prodigioso, pois tinham um dólar por cada dia útil da semana e meio dólar aos domingos; era o mesmo que recebia o pastor - ou antes, aquilo que lhe tinha sido prometido, mas que em geral não conseguia receber. Naquele tempo, um dólar e um quarto por semana chegavam para pagar o alojamento, a comida, a educação de um rapaz, e ainda para o vestir e pagar a quem lhe tratasse da roupa.

O juiz Thatcher tinha de Tom uma alta opinião. Dizia ele que um rapaz vulgar não conseguiria tirar a filha da gruta, e a sua comoção foi visível quando Becky lhe contou, muito em segredo, que Tom se deixara sovar na escola para a poupar; quando, depois, ela o defendeu por ter mentido, no intuito de a livrar, o juiz disse, deveras entusiasmado, que aquela mentira era digna de caminhar de cabeça erguida e ficar na história lado a lado com a célebre frase de George Washington a respeito do machado. Becky pensou que o pai nunca lhe tinha parecido tão alto nem tão soberbo como quando, ao dizer isto, caminhava pela casa e batia com o pé no chão. Foi dali contar tudo a Tom.

<< Página Anterior

pág. 170 (Capítulo 35)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 170

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site