Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 11: Capítulo 11

Página 57

Era perto do meio-dia quando a notícia horrível se espalhou na aldeia.

Não foi preciso o telégrafo, com o qual ainda nem se sonhava. A novidade passou, de homem para homem, de grupo para grupo, de casa para casa, com uma velocidade enorme. O mestre-escola deu feriado nessa tarde, e mal parecia se o não fizesse.

Junto do assassinado tinham encontrado uma navalha ensanguentada, que ninguém reconhecera como pertencente a Muff Potter. Era assim que se contava a história. Diz-se também que um aldeão retardatário encontrara Potter a lavar-se no rio, cerca da uma ou duas horas da manhã, e que Potter se escondera imediatamente. As circunstâncias eram suspeitas, em especial a da lavagem, que não estava nos hábitos de Potter.

Tinham corrido toda a aldeia à procura desse «assassino» - o público facilmente arranja provas e condena -, porém não o tinham encontrado.

Mas a guarda a cavalo partira pelas estradas em várias direcções, e o xerife estava confiado em que o homem seria preso antes da noite.

Todos os habitantes da aldeia se dirigiam ao cemitério. A angústia de Tom abrandou um pouco e foi com os outros, não porque não preferisse mil vezes ir para outro lado, mas porque uma fascinação irresistível o atraía para ali. Quando lá chegou, meteu-se por entre os outros, pondo-se à frente de todos, e viu o triste espectáculo.

Parecia-lhe que havia muito tempo que ali estivera.

Pouco depois sentiu um beliscão no braço e, ao voltar-se, deu com os olhos em Huckleberry. Logo ambos olharam em roda, com receio de que alguém os tivesse visto a trocar sinais, mas todos estavam entretidos com o espectáculo arrepiante que tinham na sua frente e com as várias opiniões a esse respeito.

- Coitado! Pobre rapaz! Isto devia ser uma lição para os ladrões de sepulturas. Se apanham Muff Potter, com certeza não deixam de o enforcar.

Esta era a opinião geral, e o padre disse:

- Foi um castigo. Anda aqui a mão de Deus.

Nesse momento, Tom sentiu um tremor percorrer-lhe o corpo da cabeça aos pés. Os seus olhos acabavam de se fixar no rosto inexpressivo de Injun joe, no momento em que a multidão começou a agitar-se e alguém disse:

- É ele que ali vem. É ele.

- Quem? Quem? - perguntaram as vozes.

- Muff Potter.

- Pronto, está preso. Cautela que não volte para trás! Não o deixem fugir!

<< Página Anterior

pág. 57 (Capítulo 11)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 57

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site