Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 31: Capítulo 31

Página 149

Voltemos agora à parte que Tom e Becky tomaram no piquenique.

Foram caminhando pelos corredores sombrios com os outros companheiros e admirando as maravilhas já conhecidas da gruta, maravilhas tornadas famosas, com nomes descritivos como: Sala do Desenho, Catedral e Palácio de Aladino. Pouco depois começou o alegre jogo das escondidas, e os dois pequenos tomaram parte nele com entusiasmo, até que se sentiram cansados; então, desceram por uma galeria sinuosa, levantando as velas para lerem a teia de nomes, datas, endereços e máximas que outros tinham escrito com fumo de vela nas paredes rochosas. Sempre a andarem e a conversarem, mal deram por que tinham chegado a uma parte da gruta cujas paredes não tinham nada escrito. Escreveram eles os nomes por baixo de uma saliência e seguiram. Pouco depois chegaram a um lugar onde um pequeno veio de água, correndo vagarosamente sobre um degrau, tinha formado ao fim de séculos ininterruptos, uma renda de pedra que lembrava uma miniatura do Niágara. Para Becky poder ver melhor, Tom meteu o seu corpo delgado por detrás, no intuito de iluminar, e deparou-se-lhe então uma espécie de escada íngreme entalada entre paredes sinuosas. Sem demora, apoderou-se dele uma ânsia de descobrir coisas. Falou nisso a Becky, que logo condescendeu.

Fizeram na parede um sinal com fumo, para se guiarem mais tarde, e puseram-se a caminho.

Andaram para um lado e para o outro, descendo sempre nas profundidades da gruta, fizeram outro sinal, e cortaram para um dos lados, sempre em busca de novidades para contarem aos outros que tinham ficado em cima. Em certa altura, chegaram a uma espaçosa caverna de cujo tecto pendia uma porção de estalactites, do comprimento e grossura da perna dum homem. Caminharam ao longo dela, até que a deixaram, para entrarem num dos numerosos corredores que abriam para lá e que os levou a uma nascente com a concha coberta de pequenos cristais brilhantes, como se fosse geada; esta nascente estava no meio" de uma caverna; o tecto apoiava-se numa infinidade de pilares fantásticos, formados da junção de enormes estalactites e estalagmites, resultado de um contínuo gotejar ao longo dos séculos. Pegados ao tecto havia milhares de morcegos agrupados em cachos; espantados pelas luzes, os animais desceram às centenas, guinchando e arremessando-se, furiosos, contra a chama das velas.

<< Página Anterior

pág. 149 (Capítulo 31)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Aventuras de Tom Sawyer
Páginas: 174
Página atual: 149

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 7
Capítulo 3 12
Capítulo 4 17
Capítulo 5 25
Capítulo 6 30
Capítulo 7 38
Capítulo 8 43
Capítulo 9 47
Capítulo 10 52
Capítulo 11 57
Capítulo 12 61
Capítulo 13 65
Capítulo 14 71
Capítulo 15 76
Capítulo 16 80
Capítulo 17 88
Capítulo 18 91
Capítulo 19 98
Capítulo 20 100
Capítulo 21 104
Capítulo 22 110
Capítulo 23 113
Capítulo 24 118
Capítulo 25 119
Capítulo 26 124
Capítulo 27 131
Capítulo 28 133
Capítulo 29 136
Capítulo 30 142
Capítulo 31 149
Capítulo 32 157
Capítulo 33 160
Capítulo 34 168
Capítulo 35 170
Capítulo 36 174
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site