Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 124

Capítulo 25: Capítulo 25

Página 124

Entretanto, os gregos passaram a noite a chorar a morte de Pátroclo. Aquiles, sobretudo, não cessava de se lastimar. De pé, no meio dos guerreiros, lamentava:

— Na verdade, nem sempre os deuses estão dispostos a satisfazer os desejos dos mortais. Eu tinha prometido a Menécio, pai de Pátroclo, que lhe traria o filho coberto de glória e que juntos repartiríamos os despojos de Tróia. E agora ele está morto. Eu também não regressarei à casa de Peleu, pois é meu destino morrer longe da pátria. Mas não descansarei, nem meu amigo será enterrado, enquanto não lhe trouxer as armas e a cabeça de Heitor.

Tendo assim falado, ordenou Aquiles aos companheiros que pusessem um grande recipiente ao lume e aquecessem água para que, sem demora, se lavasse o corpo de Pátroclo. Em seguida, untaram-no com um precioso óleo e cobriram-no com um fino lençol.

Enquanto isto se passava na terra, no Olimpo a mãe de Aquiles dirigia-se à morada de Vulcano, o ferreiro dos deuses. Encontrou-o muito atarefado no fabrico de vinte magníficas trípodes, destinadas a ornamentar um dos principais salões do Olimpo. Tinham rodinhas de ouro nos pés, de modo que podiam andar sozinhas pelos aposentos do palácio e dirigirem-se para os seus lugares sem precisar de guia. Estava Vulcano ocupado nessa tarefa quando Tétis entrou na forja, de modo que não a viu. Foi a bela Cáris esposa do ilustre ferreiro, quem veio rebarba-la tomando-a pela mão, disse-lhe

— Ó deusa que tanto aprecio, qual o motivo da tua amável visita? Diz-nos o que desejas e teremos todo o prazer em servir-te.

Assim falando, levou Tétis para o interior da casa e fê-la sentar-se num magnifico trono de prata. Depois chamou o marido:

— Vem depressa, Vulcano, mesmo como estás. Tétis deseja falar-te.

<< Página Anterior

pág. 124 (Capítulo 25)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 124

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site