Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 25

Capítulo 5: Capítulo 5

Página 25

Menelau, tendo procurado por toda a planície sem encontrar o menor vestígio de Páris, voltou para junto de seu irmão Agamémnon que lhe fez ver que, quer o pérfido Páris se estivesse escondido, quer tivesse sido oculto por algum deus, quer estivesse morto ou vivo, não faria diferença alguma. O importante era que, perante todos, ele o derrotara. Em vista disso, os troianos deveriam cumprir o juramento feito pelo rei Príamo de devolver Helena, a fim de que a guerra terminasse.

E isso teria de facto sido feito, pois tanto os troianos como os gregos estavam já esgotados com aquela luta de tantos anos. Mas Júpiter, que do Olimpo tudo observava, lembrou-se da promessa feita a Tétis e, chamando a sua filha Minerva, ordenou-lhe que descesse à terra e induzisse um dos troianos a violar a trégua.

Minerva, rude beleza de olhos faiscantes, prontificou-se rapidamente a obedecer às ordens do pai. E, pegando nos seu escudo ornado de borlas e no seu elmo de ouro indestrutível, partiu imediatamente do Olimpo, brilhando qual estrela. Ia muito satisfeita em cumprir as ordens de Júpiter pois, desde que Páris dera a maçã de ouro à sua rival Vénus, ela ficara com má opinião sobre Tróia e não desejava que a guerra terminasse sem que a ofensa de Páris fosse castigada e sem que a cidade do rei Príamo ficasse reduzida a ruínas.

Na planície fronteira à cidade, disfarçada de nobre troiano, aproximou-se de Pandaro, um dos aliados dos troianos que viera de Zeleia, cidade situada à beira dos abruptos penhascos do monte Ida, e dirigiu-se a ele com palavras sedutoras.

- Valente Pandaro - disse ela -, a ti que és tão nobre, não te parece uma vergonha que o campeão dos troianos tenha sido derrotado por Menelau? Deverá um grego continuar a viver para se vangloriar um dos filhos do grande rei Príamo? Não te parece que seria uma boa acção, que traria muita honra entre os troianos, se uma flecha do teu arco derrubasse Menelau? Nós, troianos, sabemos que és tão hábil e infalível no manuseamento do arco quanto o príncipe Páris. Vem pois, meu amigo, ver como Menelau está bem ao alcance de uma flecha. Não hesites. Mata Menelau e não somente os troianos te respeitarão, como também Páris te dará ricos presentes, pois ficará grato ao homem ousado e hábil que o livrará para sempre do marido da rainha Helena.

<< Página Anterior

pág. 25 (Capítulo 5)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 25

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site