Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 139

Capítulo 28: Capítulo 28

Página 139

O exército troiano, batido por Aquiles em todas as frentes, fugia para as margens da vertiginosa corrente do rio Xanto, o sagrado rio que provinha do Olimpo. Refaziam agora, em sentido contrário, o mesmo caminho por onde haviam passado, vitoriosos, conduzidos por Heitor. Para confundi-los ainda mais, Juno fez baixar do céu um espesso nevoeiro, que não lhes permitia ver bem o caminho da fuga.

Acometidos de pavor, homens, cavalos e carros despenhavam-se no turbilhão das águas do rio. Os que não sabiam nadar logo morreram, mas os outros ainda ficaram a debater-se na correnteza. Sobre estes, caiu Aquiles qual demónio com a espada flamejante desembainhada. Dentro de poucos momentos os corpos bolavam na superfície e as águas avermelhavam-se com o sangue dos guerreiros. Eram como um cardume de peixes miúdos perseguidos por um delfim gigantesco. Procuravam ocultar-se nas furnas e fendas das rochas, mas lá os ia abater Aquiles, sedento de vingança.

Quando começou a sentir-se cansado de matar, o guerreiro arrastou para fora do rio doze dos mais jovens guerreiros troianos, atou-lhes as mãos atrás das costas e entregou-os a companheiros de confiança para que os levassem aos navios. Ali deveriam pagar com as suas vidas a morte de Pátrodo. Feito isto, voltou mais uma vez ao rio. Um dos filhos de Priamo, Licáon, achava-se perto da margem, sem lança nem capacete, lutando para se livrar da impetuosa torrente. Tempos atrás, Aquiles tinha-o derrotado e feito prisioneiro. Vendera-o como escravo, mas um amigo de Príamo resgatara-o e ele pudera voltar a Tróia, onde se encontrava apenas há doze dias. Por isso, ao vê-lo agora a surgir das profundezas do rio, Aquiles ficou surpreendido pois não soubera do resgate. Dirigiu-lhe então estas palavras irónicas:

— Oh! Grande milagre vêem os meus olhos! Um dos troianos a quem aprisionei é-me devolvido pelas águas do Xanto! Mas, se escapaste ao cativeiro, não te livrarás agora da ponta da minha lança!

<< Página Anterior

pág. 139 (Capítulo 28)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 139

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site