Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 149

Capítulo 30: Capítulo 30

Página 149

Todos os troianos se tinham refugiado já detrás das muralhas e procuravam saciar a sede que lhes queimava a garganta. Todos menos um, Heitor, que se deixara ficar do lado de fora, disposto a esperar por Aquiles e a bater-se com ele.

O velho Príamo, que presenciara o desenrolar do combate e a fuga dos troianos diante do filho de Peleu, procurava dissuadir Heitor daquela resolução funesta:

— Ó meu Heitor, não esperes sozinho por este homem, assim sem auxilio de ninguém. Ele é mais forte e não te poupará a vida! Se os deuses o odiassem tanto quanto eu, por certo já estaria a servir de repasto aos cães e abutres. Muitos filhos meus pereceram às suas mãos mas se ele te matasse, Heitor, não somente eu e a tua mãe, mas também todos os homens e mulheres de Tróia ficariam inconsoláveis! Vem para dentro da cidade, meu querido filho! Tu és a única esperança de salvação que nos resta. Vem, antes que sobre a minha velhice caia a desgraça de ver todos os meus filhos trespassados pela espada de Aquiles, minhas filhas arrastadas para o cativeiro e meus netinhos atirados ao c hão durante a luta. A mim também não faltará quem me tire a vida e me ultraje o cadáver, pois o inimigo não respeita os cabelos brancos da honrada senectude.

Príamo falava e chorava, mas nada demoveu Heitor do seu propósito. Por outro lado, Hécuba, mãe de Heitor, fazia tentativas inúteis para convencei o filho:

— Heitor, meu querido filho, se tens algum amor a tua mãe, volta para a cidade! Tens razão em querer repetir o inimigo mas não te exponhas dessa
maneira. Se Aquiles te mata, nem ao menos poderemos prestar-te as honras da fogueira, nem poderemos chorar em volta do teu leito. Lembra-te do sofrimento da tua esposa e do teu filhinho, que ficará órfão.

<< Página Anterior

pág. 149 (Capítulo 30)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 149

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site