Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 159

Capítulo 32: Capítulo 32

Página 159

Enquanto Tróia ficava imersa em profunda tristeza pela morte dá Heitor, os gregos dispersavam e dirigiam-se para os seus navios, excepto os mirmidões, aos quais Aquiles dera ordens para que se conservassem em vigília. Depois, reunindo-os em torno do cadáver de Pátroclo, disse-lhes:

— Companheiros, antes de desatrelarmos os nossos cavalos, vamos prestar as últimas homenagens a Pátroclo e chorar a sua morte. Depois banquetear-nos-emos Juntos.

Assim o fizeram todos e Aquiles, aproximando-se do leito em que jazia o morto, exclamou:

— Pátroclo, podes ficar contente comigo, lá no domínio de Plutão onde te encontras. Estou a cumprir a promessa que te fiz: Heitor será lançado aos caís e mandarei degolar os doze guerreiros troianos que aprisionei diante da tua fogueira.

Dito isto, fez as tropas acamparem e mandou que lhes servissem um banquete fúnebre em homenagem a Pátroclo. Muitos bois, carneiros e ovelhas foram imolados para aquela cerimónia. Quando já todos tinham comido e bebido, chegou uma comitiva da parte de Agamémnon, convidando Aquiles a ir à sua barraca. Embora relutante, Aquiles acedeu ao convite. Ao chegar lá, os chefes ordenaram que preparassem água quente para o caso de Aquiles desejar limpar-se do sangue e da lama que lhe sujavam todo o corpo. Mas ele respondeu firme e decidido:

— Não, não me lavarei antes que Pátroclo tenha sido levado à fogueira. Tenho de comer porque a fome a isso me obriga mas, quando o dia amanhecer, peço-te Agamémnon, que mandes juntar lenha em bastante quantidade para acender a pira funerária. Convém que se faça isso o mais breve possível, para que as tropas não fiquem mais tempo nesta inércia.

Todos concordaram com as suas palavras e sentaram-se à mesa com bom apetite. Depois retiraram-se para as suas tendas, pois estavam cansados e sonolentos. E Aquiles mais que ninguém, pois sentia-se exausto do combate com Heitor. Procurou um lugar junto dos companheiros e deitou-se, entregando-se logo ao sono. Mal tinha, porém, fechado os olhos, e eis que um sonho terrível veio perturbar o seu repouso. Viu diante de si o cadáver de Pátroclo ser arrastado no pó, tal como havia feito com Heitor.

<< Página Anterior

pág. 159 (Capítulo 32)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 159

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site