Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 145

Capítulo 29: Capítulo 29

Página 145

Depois de apaziguado o Xanto, a luta reacendeu-se entre os deuses do Olimpo, cindidos em dois partidos. O plenipotente Júpiter, nos cimos do Olimpo, observava-os empenhados naquela contenda como se fossem míseros mortais e divertia-se perante tal espectáculo. Primeiro foi Marte quem atacou Minerva, dirigindo-lhe estas palavras injuriosas:

— Porque te metes a semear a discórdia entre os deuses, mulher intrigante? Lembras-te do dia em que instigaste Diomedes para que me ferisse? Pois agora vais-me pagar!

Dizendo isso, arremessou-lhe a lança, que bateu no escudo mas não o perfurou. Furiosa, Minerva investiu contra ele, atirando-lhe uma enorme pedra ao pescoço. Marte tombou e Minerva, ridicularizando-o, disse:

— Isto é para aprenderes a não ser convencido! Quem te mandou lutar com quem é muito superior a ti? E para que desobedeceste a Juno, colocando-te ao lado dos troianos?

Gemendo muito, Marte amparou-se ao braço de Vénus e encaminhou-se para o Olimpo. Mas a deusa das densas, observando aquele par desigual, disse a Minerva:

— Olha, filha de Júpiter! Não vês como Vénus vai levando aquele desgraçado através do campo de batalha e o põe a salvo do combate? Vai atrás deles e ataca-os!

Minerva não queria outra coisa. Correu sobre a deusa e deu-lhe uma violenta pancada no peito, fazendo-a tombar sem sentidos. E ali ficaram estendidos no solo os dois deuses. Minerva, vitoriosa, exclamou:

— Eis ai os protectores dos troianos! Não passam de uns grandes molengões e cobardes. Fossem como eles os que defendem a cidade e há muito tempo que poderíamos ter terminado esta guerra, depois de arrasar as muralhas de Tróia!

<< Página Anterior

pág. 145 (Capítulo 29)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 145

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site