Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 175

Capítulo 34: Capítulo 34

Página 175

Epílogo

Depois da morte de Heitor, a guerra de Tróia continuou e a situação tornou-se difícil para os troianos que tinham perdido o seu melhor guerreiro. Os gregos conseguiram levar, por mais de uma vez, a batalha até às muralhas de Tróia.

E foi num desses dias que se concretizou o destino de Aquiles. Chefiando os gregos contra os troianos, estava ele a lutar junto às portas Céias onde Páris, evitando sempre os perigos da batalha, estava escondido. Quando viu Aquiles ao alcance do seu arco, atirou-lhe uma flecha. Nunca antes tivera um alvo tão perfeito e Aquiles, que Páris nunca ousaria enfrentar, caiu morto. E, assim, o maior guerreiro de todos foi abatido por um homem de pouca coragem e nenhum valor.

Ájax e Ulisses salvaram o corpo de Aquiles dos troianos e levaram-no de regresso aos navios, colocando-o num ataúde na praia. Nela, todos os reis e príncipes gregos se uniram aos mirmidões para o velar. Do mar profundo veio sua mãe Tétis, com as quarenta e nove filhas de Nereu, para chorarem a morte de Aquiles. Um grande medo apoderou-se dos gregos que queriam fugir, mas o velho Nestor chamou-os, dizendo:

— Não há nada que recear. É a imortal Tétis e as suas irmãs que vieram chorar pelo filho morto.

Os gregos choraram junto das densas e assim Aquiles foi velado por homens mortais e deusas imortais, durante dezassete longos dias. E no décimo oitavo dia os gregos queimaram o corpo de Aquiles em alta pira com jarras de óleo e mel. No dia seguinte, tiraram os seus ossos das cinzas e colocaram-nos numa urna, oferecida a Tétis por Vulcano. E nessa urna puseram também os ossos de Pátroclo e nela erigiram, como Aquiles lhes pedira, uma imponente sepultura.

<< Página Anterior

pág. 175 (Capítulo 34)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 175

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site