Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 70

Capítulo 14: Capítulo 14

Página 70

Quando Aquiles acabou de falar, o velho Fénix, com lágrimas nos olhos, tomou a palavra:

— Já que estás resolvido a partir, Aquiles, já que as nossas súplicas não te comovem, como poderei eu ficar longe de ti, querido filho? Foi teu pai, o generoso Peleu, quem me mandou acompanhar-te nesta guerra. Ao sairmos de Ftia, tu eras ainda um jovem inexperiente e ignorante das coisas da guerra. Nem sequer sabias falar nas assembleias e fui eu quem [e ensinou tudo isso. Não poderia abandonar-te agora, nem que um deus me prometesse fazer voltar aos tempos de rapaz, quando fui residir em companhia de teu pai. Outrora eu habitava a formosa Hélade, mas tive de deixá-la porque meu pai se zangara comigo e conseguira das ferozes Erimias que jamais um filho meu se sentasse no seu colo. Fiquei encolerizado com essa maldição e senti desejos de matá-lo. Mas os deuses protegeram-me e afastaram de mim esse mau pensamento. Sufoquei a minha cólera, de molde a que um dia os meus conterrâneos não me pudessem apelidar de parricida, mas não podia permanecer em casa de meu pai. Todos, amigos e parentes, vieram suplicar-me que não partisse, mas eu já tinha tomado a minha decisão. Então, procuraram reter-me pela força. Durante nove dias e nove noites revezaram-se, montando guarda ao palácio para que eu não fugisse. Tudo em vão. Consegui escapar aos guardas, atravessei a vasta Hélade e cheguei à opulenta terra de Ftia. Lá fui bem recebido por Peleu, que se tornou meu amigo e, em breve, passava a considerar-me seu filho. Deu-me imensas riquezas e um reino para governar. Confiou-te também aos meus cuidados e eu transformei-te no homem que hoje és. Não passavas de uma criança arisca e só comparecias aos festins se fosses acompanhado por mim. Sentava-te ao meu colo e metia-te a comida na boca, segurando a taça em que tomavas o vinho. Muitas vezes o derramaste nas minhas roupas, mas e não me aborrecia, pois eras como um filho para mim. E, agora, peço-te que me onças. Nem os deuses são implacáveis como estás a ser. Mesmo ele deixam-se domar à força de orações e de sacrifícios. Portanto, Aquiles, t também deves ceder ante o pedido de Agamémnon e dos mais nobres dá helenos. Se ele não te tivesse oferecido tantos presentes, nem te tivesse prometido outros e permanecesse irado contigo, não te devolvendo o que injustamente te tinha tirado, então eu não insistiria para que nos viesse socorrer nesta grande aflição. Mas ele tudo fez e enviou-nos à tua presença nós que somos os teus melhores amigos. Deu-se outrora um caso semelhante, que me ocorre contar-te:

<< Página Anterior

pág. 70 (Capítulo 14)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 70

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site