Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 44

Capítulo 9: Capítulo 9

Página 44

Enquanto isso, Heitor chegava à cidade. Foi imediatamente rodeado pelas mulheres e pelas filhas dos troianos que combatiam, querendo saber noticias de seus maridos, filhos e irmãos. Heitor aconselhou-as a que orassem aos deuses sem cessar, para que protegessem os seres que amavam. Seguiu depois para o magnífico palácio de Príamo, onde encontrou Hécuba, sua mãe, que lhe dirigiu estas palavras:

— Meu filho, porque deixaste os perigos da guerra para aqui vir? Os gregos levam-nos de vencida e vieste oferecer sacrifícios a Júpiter? Espera um instante, que vou trazer-te um pouco de vinho que of errarás ao pai dos deuses e aos outros imortais. Depois, é preciso que tomes também um pouco desse vinho para te reconfortares, pois muito cansado deves estar de tanto combater.

Mas o grande e valoroso Heitor respondeu:

— Não, minha mãe, não me ofereças do teu excelente vinho. Receio que me tire as forças e a coragem. Além disso, não ouso oferecer sacrifícios a Júpiter com as mãos manchadas de sangue e de lama. Mas vai tu ao templo de Minerva e deposita-lhe sobre os joelhos o mais belo véu que houver no palácio e promete-lhe doze bezerros de um ano, se ela se apiedar da cidade, das nossas mulheres e dos nossos filhos, e afastar de nós o filho de Tideu, o mais terrível dos lanceiros gregos. Eu irei ter com Páris e instarei com ele para que retorne ao combate. Porque é que a terra não se abre e não o devora, a ele, o causador dos nossos males, que depois de tudo ainda se acobarda perante o perigo!

Quando acabou de falar, a rainha Hécuba mandou convocar todas as matronas da cidade, foi até ao seu quarto onde tinha os véus guardados e, agarrando no maior e no mais formoso de todos devido aos seus maravilhosos bordados, pôs-se a caminho do templo. Ali chegada, fez como Heitor tinha mandado e, depois, suplicante, orou à filha do grande Júpiter:

— Ó Minerva divina, protectora desta cidade, quebrai a lança de Diomedes e fazei com que ele caia de rosto para o chão diante das portas de Tróia. Prometemos ofertar-vos doze bezerros de um ano, caso vos compadeçais da cidade, das mulheres dos troianos e dos seus filhos.

<< Página Anterior

pág. 44 (Capítulo 9)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 44

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site