Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 49

Capítulo 10: Capítulo 10

Página 49

Heitor e Páris precipitaram-se para o meio da batalha dispostos a matar ou a morrer. Ao vê-los, reanimaram-se os troianos como o marinheiro que, cansado de movimentar os remos, se alegra ao sentir o vento propício.

Logo de início, os dois fizeram grandes baixas no exército grego e a sorte parecia pender para o seu lado. Mas Minerva, ao aperceber-se dos estragos que iam fazendo nas tropas dos seus protegidos, de um salto desceu do Olimpo e baixou sobre Tróia. Ao seu encontro precipitou-se Apolo, que também observava o que se estava a passar e queria a vitória dos troianos. Foi o primeiro a falar:

— Filha de Júpiter, com tanta pressa baixaste à terra para trazeres a vitória aos teus gregos? Sei que não tens pena dos troianos mas, se me queres ouvir, façamos uma trégua. Suspendamos por hoje a luta e o morticínio. Mais tarde, então, a guerra continuará até à destruição de Tróia, visto que assim o decidiram outros deuses poderosos.

Respondeu-lhe Minerva:

— Pensava justamente nesse plano. Mas que faremos para deter a luta?

Retorquiu-lhe o filho de Júpiter :

— E fácil. Basta incitar o valente Heitor a que desafie algum dos gregos a bater-se com ele em combate singular.

Assim ficou combinado entre os dois deuses. Ora, Heleno, filho de Príamo, que servia também de oráculo aos troianos, sentiu bem no coração o que as divindades tinham decidido e falou assim a Heitor:

— Caro irmão, acredita no que te vou dizer. Sou adivinho e conheço o pensamento dos deuses. Eles mandam que troianos e gregos suspendam o combate e tu, sozinho, provoques o melhor dos inimigos a lutar contra ti. E podes estar certo de que a tua hora ainda não chegou. Revelaram-mo as deidades imortais.

<< Página Anterior

pág. 49 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 49

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site