Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 73

Capítulo 15: Capítulo 15

Página 73

Altas horas da noite, o sono dominava o acampamento dos gregos. Mas Agamémnon, presa de uma angústia inexplicável, não conseguia dormir. O seu animo vacilava e o espectro da derrota enchia-o de pavor. Alongando o olhar para o acampamento troiano, via o clarão das fogueiras e apercebia-se da actividade das tropas, enquanto que do lado dos exércitos gregos todos dormiam a sono solto. Lembrou-se, então, de ir procurar Nestor e pedir-lhe um conselho, um plano que os pudesse salvar a todos. A caminho encontrou Menelau, que também não pudera conciliar o sono e que, envergando as pesadas armas, vinha à sua procura. Ficaram ambos satisfeitos com o encontro e Menelau foi o primeiro a falar:

—Para onde vais, meu irmão, assim armado, a estas horas da noite? Pensas em enviar alguém para observar o que fazem os troianos? Receio, apenas, que nào encontres ninguém que queira correr esse risco.

— Não vejo nenhuma solução para escapar da derrota—respondeu-lhe Agamémnon. — Não há dúvida que os deuses imortais estão com Heitor e que me abandonaram. Apesar disso vamos pedir conselhos ao sábio Nestor e ao astuto Ulisses, pois talvez eles consigam engendrar um meio de escaparmos. Vai acordar Ájax, filho de Télamon, Idomeneu, e os outros chefes cujos barcos estão mais distantes, enquanto eu vou ao encontro do velho Nestor.

Foi com boa vontade que Menelau se apressou a cumprir as ordens do seu irmão, ansioso, como estava, por afastar da mente os pensamentos que a atormentavam. Agamémnon, empunhando uma tocha acesa, entrou n barraca de Nestor que dormia tranquilamente.

— És tu, Agamémnon? O que se passa? — perguntou ele.

E Agamémnon expôs-lhe, de imediato, o motivo da sua presença.

<< Página Anterior

pág. 73 (Capítulo 15)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 73

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site