Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 41

Capítulo 8: Capítulo 8

Página 41

Os deuses tinham abandonado os terríveis combates, que continuavam, no entanto, com grande mortandade de ambos os lados. Os dardos dos dois exércitos confundiam-se na planície que separa os rios Simoente e Xanto. Ájax, filho de Télamon, forte sustentáculo dos gregos, enche-lhes o coração de fundadas esperanças, ao abater o chefe dos trácios. A lança atingiu-o no capacete e, não encontrando resistência bastante, penetrou-lhe na testa. O véu impenetrável da morte cobriu-lhe os olhos.

O belicoso Menelau apanha Adrasto com vida. Os cavalos desse chefe, aterrorizados, corriam desabaladamente pela planície e fizeram com que o carro colidisse com um tronco de árvore; libertando-se, fugiram em direcção à cidade. Despenhando-se do carro, Adrasto caiu junto a uma das rodas , com o rosto no chão. Menelau aproxima-se dele, trazendo a comprida na mão. Adrasto abraça-se aos seus joelhos implorando clemência metendo-lhe que o pai daria preciosos tesouros pelo seu resgate.

Tais palavras abalaram o coração de Menelau, que dava já ordem a um seus para que levasse o guerreiro prisioneiro para os navios quando Agamémnon acorreu indignado:

— Menelau, como poupas assim a vida aos nossos inimigos? Achas, então, que os troianos te trouxeram grandes benefícios! Nenhum deles deve ar ao nosso braço e que todos os habitantes de Tróia pereçam sem sepultura e sem deixar de si nenhum traço para a posteridade.

Menelau repetiu Adrasto com as mãos e Agamémnon mergulhou a lança rpo do guerreiro, que tombou de costas. Então, comprimindo-lhe Ito com o pé, o duro átrida arrancou a arma e afastou-se.

<< Página Anterior

pág. 41 (Capítulo 8)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 41

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site