Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 4

Capítulo 2: Capítulo 2

Página 4

No nono ano da guerra contra Tróia deu-se uma catástrofe contra os gregos.

Pouco tempo antes, tinham saqueado a cidade de Lirnesso, situada na parte sudoeste da costa troiana. A maior parte da luta foi empreendida por Aquiles, o melhor guerreiro grego, filho de Peleu, rei de Ftia, e pelos mirmidões, soldados do mesmo rei, que fizera muitos prisioneiros e grandes pilhagens.

Entre os cativos encontrava-se Briseida que, na partilha do saque, foi escolhida para ser escrava de Aquiles.

Logo a seguir a isto, Tebas, cidade vizinha de Lirnesso, foi tomada pelos gregos; o maior quinhão das coisas apreendidas coube, como de costume, a Agamémnon, ilustre rei da Grécia, irmão de Menelau, que era o maior interessado na guerra. Entre os prisioneiros, foi escolhida uma bonita donzela chamada Criseida para ser escrava de Agamémnon, que a levou no seu navio para o acampamento grego na costa troiana.

Criseida era filha de Cises, sacerdote do templo do deus Apolo, homem de posses e muito conceituado. Tomado de grande pesar pela perda da filha, Crises resolveu partir das ruínas de Tebas com grande provisão de ouro e prata, com a finalidade de a resgatar aos gregos.

Na costa de Tróia, os gregos tinham disposto os seus navios em três linhas ao longo da praia, entre duas línguas de areia: os cinquenta navios dos mirmidões, fundeados mais para ocidente, e os de Ájax, filho do rei Télamon, ancorados no extremo leste. Entre os navios de Aquiles e os de Ájax, havia outros dispostos em três filas, pois a extensão plana da costa não era suficientemente longa de molde a que pudessem ficar todos numa única fila.

<< Página Anterior

pág. 4 (Capítulo 2)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 4

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site