Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 165

Capítulo 33: Capítulo 33

Página 165

No acampamento dos gregos todos dormiam a sono solto, excepto Aquiles. O intrépido filho de Peleu revolvia-se no leito sem conseguir conciliar o sono. Pensava em Pátroclo, no excelente amigo que sempre fora, nas façanhas gloriosas que tinham realizado juntos e nas dificuldades que tinham atravessado, auxiliando-se um ao outro. E, quanto mais recordava, mais o pungiam as mágoas. Para afugentar as lembranças que o perseguiam, levantou-se e pôs-se a caminhar a esmo ao longo da praia.

Mas quando o Sol começava a ralar no horizonte, atrelou os cavalos, amarrou ao carro o cadáver de Heitor e deu três voltas, arrastando-o, em torno do túmulo de Pátroclo. Depois, deixou o corpo ali mesmo, com o rosto voltado para o chão. Em seguida, recolheu-se à sua tenda.

Entretanto, Apolo apiedara-se do infeliz troiano e cobrira-lhe o corpo com a sua égide de ouro para que, apesar da fúria de Aquiles, ele se conservasse intacto.

Durante doze dias Aquiles repetiu a façanha mas, ao cabo desse período, o próprio Júpiter já estava irritado com aquela falta de respeito pelo morto. À excepção de Juno, Minerva e Neptuno, os restantes deuses sentiam a mesma coisa. Por fim, o deus plenipotente resolveu tomar uma iniciativa. Chamou a mensageira Íris e mandou-a ao fundo do mar para dizer a Tétis que viesse à sua real presença.

Estava a mãe de Aquiles numa profunda gruta, rodeada de outras divindades marinhas, e chorava a sorte do filho que deveria morrer breve, longe da pátria. Quando Íris lhe transmitiu a mensagem de Júpiter ela apressou-se em correr ao Olimpo para ouvir a palavra do deus.

Ao chegar, encontrou os deuses reunidos em torno de Júpiter, ao lado de quem se foi sentar, no lugar que lhe cedeu Minerva. Então o pai dos deuses, saudando-a, disse-lhe:

<< Página Anterior

pág. 165 (Capítulo 33)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 165

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site