Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 101

Capítulo 20: Capítulo 20

Página 101

Enquanto o Deus dos deuses dormia a sono solto lá no alto do monte Ida, os gregos infligiam, cá em baixo, perdas terríveis ao exército troiano. Mas, ao cabo de algumas horas, o senhor do Olimpo despertou e o seu primeiro cuidado foi o de procurar com os olhos o campo de batalha. E qual não foi a sua surpresa perante o espectáculo que se lhes apresentava: os troianos, em fuga desordenada; e, no meio dos gregos, auxiliando-os no ataque e na perseguição, Neptuno, o deus do mar. Só então compreendeu Júpiter a cilada que lhe preparara a sua divina consorte. Furioso por se ter deixado lograr, saiu à sua procura e, lançando-lhe um olhar carregado, disse-lhe:

— Ah! Mulher fingida e trapaceira! Fizeste-me adormecer para mudar a sorte da batalha! Ousaste desobedecer às minhas ordens! Devias lembrar-te do castigo que de outra feita recebeste, ficando pendurada no espaço com duas bigornas nos pés e algemas nas mãos. Nem todos os deuses reunidos conseguiram dominar a minha cólera e nenhum teve coragem para me desafiar e socorrer-te.

Assim falou Júpiter. A venerável deusa baixou os olhos medrosa e, sem ousar encarar o esposo, respondeu-lhe:

— Juro pelas sagradas águas do Estígio que não tenho culpa que Neptuno esteja a ajudar os troianos. Se ele foi combater do outro lado, foi por sua livre e espontânea vontade. Se os gregos estão a vencer, não foi por eu os ter ajudado mas sim porque são mais valentes. E ei tens a explicação de tudo! Mas, se queres, eu mesma irei falar com Neptuno e lhe transmitirei as tuas ordens.

Desarmado pela astúcia de Juno, o pai dos deuses sorriu e disse:

— Está bem, minha querida. Façamos então as Fazes e, se as tuas palavras são sinceras, tudo se arranjará. Corre e vai chamar Íris e o arqueiro Apolo. Diz-lhes que venham sem demora, pois tenho ordens a dar-lhes. Ela irá ao encontro de Neptuno para lhe dizer que cesse imediatamente as hostilidades. E ele irá ter com Heitor para o reanimar, a ele e aos troianos, fazendo despertar-lhes o amor próprio. Aos gregos, infundir-lhes-á medo, para que fujam desordenadamente para junto dos navios de Aquiles. E podes ficar descansada, minha querida Juno, que o resultado disso tudo te vai causar uma grande satisfação. Pois, se até agora protegi os troianos, não foi porque os estimasse mais do que aos gregos, e sim para cumprir a promessa que fiz a Tétis, quando me veio suplicar que desagravasse seu filho Aquiles.

<< Página Anterior

pág. 101 (Capítulo 20)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 101

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site