Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar
> > > Página 127

Capítulo 26: Capítulo 26

Página 127

Quando Aquiles recebeu as armas das mãos de Tétis, a sua ira, como que por encanto, sumiu-se. Não cessava de as admirar e de soltar exclamações de júbilo. Por fim, disse à sua divina mãe:

— Ninguém duvidaria que tais armas só poderiam ter saído de uma oficina celeste. São realmente magníficas! Vou envergá-las imediatamente e lançar-me ao combate. O que me custa é abandonar o cadáver do meu amigo, não vão as moscas e os vermos desfigurar a sua bela aparência.

— Tranquiliza-te, meu filho — disse Tétis. —Protegê-lo-ei na tua ausência, mesmo que tenha de permanecer aqui durante um ano inteiro. E quando voltares encontrá-lo-ás no mesmo estado. Agora vai e convoca todos os guerreiros, preparando-os para a grande ofensiva. Mas, antes de mais nada, reconcilia-te com Agamémnon.

Com estas palavras, fez avivar em Aquiles o antigo rancor e o espírito belicoso. E o herói saiu pela planície, convocando os guerreiros para uma assembleia. Ao ouvir a voz de Aquiles todos se apresentaram, mesmo os homens que costumavam ficar na retaguarda encarregados de cuidar dos navios. O último a chegar foi Agamémnon, apoiado à lança, pois ainda não se restabelecera completamente dos ferimentos.

Quando todos estavam reunidos, Aquiles tomou a palavra:

— Glorioso átrida Agamémnon, teria sido bem melhor para ambos se nunca tivéssemos rompido os laços de amizade que nos uniam. Devíamos ter sabido dominar os nossos impulsos e evitar que o ódio nos corroesse a alma. Juntos teríamos impedido que tantos gregos perecessem sob os duros golpes do inimigo. Mas, por causa de uma mulher, permitimos que os nossos guerreiros sofressem tantas derrotas. Maldito o dia em que saqueei a cidade de Lirnesso e trouxe Briseida como escrava! Antes Diana a tivesse atravessado com uma seta, em vez de eu a ter trazido para servir de discórdia! Mas não falemos de coisas passadas. Por mim, não guardo ressentimentos e espero que faças o mesmo. Vamos, pois, ao combate! Veremos, então, se os troianos continuarão, noite e dia, a rondar-nos os navios.

<< Página Anterior

pág. 127 (Capítulo 26)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Ilíada
Páginas: 178
Página atual: 127

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 15
Capítulo 4 18
Capítulo 5 25
Capítulo 6 31
Capítulo 7 37
Capítulo 8 41
Capítulo 9 44
Capítulo 10 49
Capítulo 11 56
Capítulo 12 64
Capítulo 13 67
Capítulo 14 70
Capítulo 15 73
Capítulo 16 80
Capítulo 17 86
Capítulo 18 90
Capítulo 19 96
Capítulo 20 101
Capítulo 21 105
Capítulo 22 112
Capítulo 23 115
Capítulo 24 121
Capítulo 25 124
Capítulo 26 127
Capítulo 27 133
Capítulo 28 139
Capítulo 29 145
Capítulo 30 149
Capítulo 31 156
Capítulo 32 159
Capítulo 33 165
Capítulo 34 175
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site